Dores de Crescimento

Menu

Culto Online Web Rádio

Dores de Crescimento


A Bíblia nos ensina que Deus ama aqueles que são Seus filhos, e que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Ele (Romanos 8:28), e indiferentemente de qual seja o propósito da luta que passamos, o objetivo final sempre será para que cresçamos à imagem de Seu Filho (Romanos 8:29).

Um dos maiores erros que cometemos no decorrer de nossa jornada cristã é achar que Deus é tão bom, que jamais nos corrigiria ou nos permitiria passar por duras provações. Mas a verdade, é que quando pensamos assim, estamos enganando a nós mesmos, pois Deus é sem dúvida alguma, um Deus maravilhoso e bondoso, mas Ele também é um Pai, um Pai de Justiça e de correção.

O Profeta William Marrion Branham nos ensina que, quando um crente verdadeiramente aceita o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, ele sempre será provado. Mas provado em que? Pela Palavra. Ele também nós ensina que todo aquele que vem a Deus deve ser testado, disciplinado, açoitado e corrigido. E quando Deus dá disciplina e o indivíduo a ser testado não pode suportar, então ele se torna um filho ilegítimo, e não um filho de Deus.

Muitas vezes, Deus nos permite passar por duras provas, para que possamos ser aperfeiçoados para a vocação na qual Ele nos comissionou. Olhando para as escrituras, podemos ver que, com todos os santos do passado sucedeu da mesma forma. Todos foram testados e provados, até que chegassem à perfeição exigida por Deus, em seus respectivos chamados.

Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, foram lançados e amarrados dentro de uma fornalha em chamas, porém, por mais que aquela fornalha estava quente, ao ponto em que as chamas mataram os soldados que os levaram até lá, ela só foi uma estratégia usada por Deus para romper as ataduras que os amarravam. É necessário passarmos por dores e provações para desatar, as amarras que nos prendem ao mundo.

Deus disse a Abraão: “Darei a você, um filho”, e este esperou por 25 longos anos até que a promessa fosse cumprida. E quando, enfim a promessa foi manifestada, e Abraão recebeu seu filho, Deus o colocou a prova e disse-lhe: “Abraão! Tome seu filho, seu único filho, Isaque, a quem você ama, e vá para a região de Moriá. Sacrifique-o ali como holocausto num dos montes que lhe indicarei”. No outro dia, de manhã bem cedo, Abraão levantou-se e preparou o seu jumento e partiu junto a seu filho Isaque, em direção ao lugar que Deus lhe havia indicado. Aquela foi à provação de Abraão, mas esse, tão certo de Deus, não se abateu, mas apanhou a lenha e a colocou sobre um jumento e levou seu filho para oferecê-lo e cumprir assim, a vontade de Deus. Abraão conhecia o poder de Deus, ele sabia que o ventre de Sara já não podia mais gerar, ela era estéril, então ele não tinha motivos para titubear da Palavra de Deus, ele sabia que Isaque tinha vindo por meio de uma Palavra Prometida. Ele estava certo de que aquela provação era por um propósito de Deus, ele confiava em Deus, ele estava certo de Deus. Ora, o próprio Deus tinha prometido que dele faria nações e dele procederiam reis. Deus testou Abraão, mas por fé na promessa que lhe havia sido dada, ele se fortaleceu e cresceu em fé, dando glória a Deus e pelo que isso também lhe foi imputado por justiça (Romanos 4:3). Abraão tinha direito a promessa, e a promessa era dele, mas ainda assim, ele precisou passar por dores para possuir aquilo.

Temos também, Jó, que seguia corretamente todos os mandamentos de Deus, e como ele não havia ninguém semelhante na terra, pois era íntegro e reto, temente a Deus, e se desviava do mal (Jó 1:8). Ele era um homem justo (justificado), e perfeito aos olhos de Deus e ainda assim passou por duras provas e aflições. Tudo o que ele tinha, lhe foi tirado. Sua saúde, sua família, seus bens, tudo. Ao ponto de se assentar nas cinzas e com um pedaço de telha raspar suas feridas. Até mesmo sua própria esposa e seus amigos foram contra ele. Porém, Jó se manteve firme, ele tinha a convicção de que ele havia cumprido todos os requisitos de Deus. Ele sabia que não havia motivo para Satanás tentá-lo. Jó recebeu a revelação de que não era Deus castigando-o, mas o permitindo passar por provações para aperfeiçoá-lo.

Por vezes, Satanás nos persegue dizendo-nos que as provas que estamos passando é Deus nos castigando, porque estamos em pecado. E Deus permite ele nos dizer isso, para que não confiemos em bens terrenos, mas sim nos tesouros dos céus. “Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.” (Mateus 6:21)
Um dia o apóstolo Paulo teve uma grande revelação (II Coríntios 12:4), e para que não houvesse nele qualquer glória a respeito disso, lhe foi permitido um espinho na carne (II Coríntios 12:7). Paulo, o qual havia visto a Jesus em uma Coluna de Fogo, e foi vindicado através do mesmo Deus, do mesmo Poder, com sinais e maravilhas, orou ao Senhor insistentemente por três vezes para que Deus o libertasse das lutas que passava (II Coríntios 12:8). Porém, certa noite Deus lhe respondeu: “A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza.” (II Coríntios 12:9). Paulo não questionou a Deus a respeito de Sua resposta. Mas, foi humilde, compreendendo que aquela era a vontade de Deus para sua vida, ao ponto de professar: “Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo.

“Porque quando estou fraco então sou forte.” (II Coríntios 12:10). Paulo entendeu que aquilo eram dores permissivas de Deus, para seu próprio crescimento.

Ora, não seja um crente fraco e covarde! Seja como Jó perante a dor, não deixe Satanás estremecer sua fé. Seja como Abraão, confie nas promessas de Deus, Ele é fiel para cumprir com Sua Palavra. Seja como Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, preferindo estar dentro da fornalha ardente com Deus, do que fora dela, sem Ele. Seja humilde como Paulo, compreendendo que tudo que Deus permite acontecer em sua vida é para um propósito maior.

O natural tipifica o espiritual e o irmão Branham sempre nos chamou atenção para a natureza. Ele usou vários exemplos naturais da vida animal para tipificar a nossa vida espiritual. Em um dos tipos usados por ele, vemos o processo que um pintinho passa, para vir à vida. Sabemos que o pintinho ou qualquer filhote de pássaro tem que quebrar seu próprio ovo para nascer. Seu crescimento enquanto dentro do ovo exige espaço, e a única forma de continuar crescendo é sair do ovo. Então, começa ali sua primeira luta: quebrar a casca daquele ovo com suas próprias forças. Qualquer pessoa que parar para olhar aquele pequenino pintinho se esforçando, dando o seu máximo para sair daquele ovo, se sentiria comovido e tentado a “ajudá-lo”. Mas o que muitos não sabem é que aquele processo de “bicar a sua saída”, na verdade é bom e necessário para aquele filhote. E é daquela forma, em meio aquela agonizante luta que ele é provado e começa a desenvolver forças próprias, as quais precisará para sobreviver logo após nascer. Se alguém tentar o “ajudar” e quebrar a casca do ovo para que aquele pintinho, estará na verdade prejudicando-o. Aquelas são as suas dores de crescimento, necessárias para o seu fortalecimento e crescimento. Se o ovo for rompido por uma força exterior, a vida termina. Mas se ele for rompido por uma força interior, a vida começa. Esta é a maneira natural provida por Deus para um indefeso pintinho. E conosco, filhos e herdeiros de suas promessas, seria diferente?!

Em nossa vida cristã, também temos que lutar para quebrar aquela casca que nos impede de crescer espiritualmente. Não devemos esperar que Deus rompa aquela casca para nós. Mas, nós mesmos devemos lutar para rompê-la. O pio cristão, ainda que convicto de sua eleição e de sua herança tem que lutar e pelejar, para obter cada polegada daquilo que lhe foi prometido. Essa é a maneira que Deus estabeleceu. Ainda que seja seu, você terá que lutar por aquilo. Ainda que com dores, chegaremos; à promessa é nossa, e a vontade de Deus é boa, agradável e perfeita (Romanos 12:2). Entender isso é amadurecer espiritualmente, é crescer no conceito de Deus.
Devemos caminhar por fé e não por vista. Se houver uma doença, ela não está aí. Se algum ente querido morrer, ele somente dorme. Se um amado ainda não veio, “tudo o que você sempre amou, e tudo que sempre amou você, Deus já deu a você”. Se te tem faltado bens materiais, com sapato ou sem sapato, Glória a Deus! Se houver uma aflição, apenas não a veja mais. Não tomemos em consideração os sintomas, mas sim as nossas promessas. Cada filho que vem a Deus tem que ser provado. Enquanto nesse corpo corruptível, teremos problemas, lutas, aflições e dores, mas lembre-se: “Tu pois, sofre as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo” (II Timóteo 2:3), “sabendo que a prova da vossa fé opera a paciência” (Tiago 1:3).

Nunca podemos negar o fato de que, nós nos conhecemos e sabemos que algumas dores que passamos nos fazem correr para mais perto de Deus. Assim como um filho indefeso, quando ameaçado, corre para junto de seu pai, sabendo que ali ele tem um amparo, ali ele terá alguém que o trará segurança. E muitas das vezes, Deus nos permite passar por dores em nossas vidas para que entendamos que Ele quer apenas que nós acheguemos para mais perto Dele e descansemos em Sua presença.

Oh, temos onde nos refugiar em meio à dor. “Torre forte é o nome do Senhor; a ela correrá o justo, e estará em alto refúgio” (Provérbios 18:10). Essa é a nossa proteção, eleitos!

É tempo de provas, é tempo de dores de crescimento. A evidência de que Deus está conosco é quando somos provados, pois todos os legítimos filhos de Deus são provados e testados. Que tempo glorioso estamos vivendo, onde temos a revelação de que todas as lutas, provações e dores dessa vida, logo hão de passar. Tudo está perto de terminar. Estamos regressando ao nosso Lar eterno, estamos indo para Casa com O Senhor.

“E você sabe que é exatamente da maneira que a Palavra está escrita. Deus tem compromisso com você, de sustentar isso então. Ele com certeza têm. (…) Deus é um Deus zeloso. Lembre-se, sofrer por amor da Sua Palavra são dores de crescimento de Sua graça. Quando você sofre por amor da Palavra Dele, é só dores de crescimento.”  Shalom – Parágrafo 178

Redação Assim Está Escrito