O SEGREDO DA VIDA GUARDADO NA SEMENTE

Menu

Culto Online Web Rádio

O SEGREDO DA VIDA GUARDADO NA SEMENTE

O profeta William Branham gostava de tomar os tipos constantes na natureza para nos explicar muitas profundezas da Palavra. Como ele mesmo dizia, a natureza é uma Bíblia, sendo necessária sensibilidade dada pelo Espírito Santo para compreendermos aquilo que Deus quer nos mostrar. Assim como o nosso Senhor Jesus Cristo contava muitas parábolas em suas mensagens, como em São Mateus 13, quando abriu apenas aos discípulos o selo constante na parábola do semeador, vemos, neste tempo, o mesmo Filho do Homem nos explicando os acontecimentos espirituais na “grandeza” da simplicidade que Deus opera, mesmo numa pequenina semente. Jesus mesmo disse que se tivermos a fé do tamanho de um grão de mostarda nada nos seria impossível, sendo que o irmão Branham nos explica que o grão de mostarda é a menor das sementes, mas não pode ser hibridizada (misturada) com incredulidade.

Na Mensagem “A Semente não herda com a palha”, pregada em 29/04/1965, o profeta toma como contexto os 3 filhos de Abraão e como herdamos as promessas por meio da supremacia de Cristo:

29 A matemática da Bíblia funciona perfeitamente. Deus é aperfeiçoado em três, adorado em sete, e assim por diante. Veja, então nós – nós encontramos que a matemática da Bíblia nunca falha.

30 E temos aqui dois filhos de Abraão (falando sobre Gálatas 4, escritura base da Mensagem), e, no entanto, somente podemos ser herdeiros, uma vez que sejamos um desses filhos, ou um filho de Abraão. “Pois estando nós mortos em Cristo, então tornamo-nos semente de Abraão, e herdamos com Ele conforme a promessa”, portanto Abraão deve ter um outro Filho.

31 Agora, sabemos que seu primeiro filho foi com Agar, e encontramos que seu segundo filho foi com – foi com Sara. Mas ele teve um terceiro Filho, o qual foi Jesus. Agora, isso pode parecer estranho, mas é isso o que vamos procurar explicar. Como eu disse, Deus Se representa, sempre em perfeição, em três. E deixei claro perante todos agora, e principalmente aos seus teólo-… teólogos, que estas coisas são apenas da maneira que entendo Isso, da maneira que Isso vem a mim.

Vemos, portanto, em analogia, que Agar, Sara e Maria foram portadoras da vida, como um tipo das etapas de desenvolvimento da semente, aproximando-se cada vez mais do real, apontando cada uma para o que representavam, até que a Semente finalmente se manifestasse em plenitude, como podemos ver ainda na Mensagem “A Semente não herda com a palha”:

63 Agora, o talo, o pendão e a casca, note. Agar aqui representou o talo, que foi a primeira vida que teve início na promessa. Sara representa o pendão, ou o pólen, que vem no pendão. Maria, a virgem, representava e produziu a verdadeira Semente espiritual, para trazer o talo de fato verdadeiro. Agar e Sara, ambas foram pelo sexo. Mas Maria, a virgem, foi pelo poder da Palavra prometida de Deus, por nascimento virginal. Ela produziu a Semente genuína. O talo, Agar, a segunda esposa, por dúvida da promessa, operando através de uma dúvida, um pouquinho. (…)

74 Agora, Agar, por uma pequenina diferença, através da mulher, não através de Abraão, veja lá.  Abraão não queria fazer isso, mas Deus permitiu-lhe fazer porque ele… De mesma forma, Ele deixou Balaão seguir adiante. Agora note, por discordar um pouquinho Dela, ela deu à luz Ismael, que foi um homem desenfreado, nunca conquistado. Ele vivia pelo seu arco. Ele era um homem desenfreado. Ainda é, hoje.

75 Agora Sara, o pendão, ou o pólen, Sara, a verdadeira esposa da promessa, deu à luz um homem benigno, em troca produziu uma nação prometida.

76 Agora, mas Maria, sem sexo, mas através duma promessa, justamente como Abraão recebeu  a promessa de Deus, a Palavra de Deus, mas creu na promessa: “Eis aqui a serva do Senhor”, veja, produziu não um talo, mas a Semente original, pois Ele era a Palavra que Abraão creu e que Maria creu.

77 Agora, Maria não era a Semente, ela era apenas a casca através da Semente. As outras duas foram portadoras de vida, apenas a semente natural. Maria não era a Semente, ela própria; mas com fé na Palavra de Deus, trouxe uma imagem mais real da Palavra, porque Ele era a Palavra. Mas como a casca, o… de um trigo, um grão de trigo, a casca contém o trigo dentro dela e o protege até que ele consiga ou esteja madura para seguir sozinho. Está vendo? Então, foi a Própria Semente que a deixou. Justamente como, a Semente estava em seu ventre, ela não era a Semente. Ela não produziu a Semente. Deus é a Semente.

* PORTADORAS DA VIDA (semente):

AGAR – TALO – recebeu de um modo pervertido, pelo desejo sexual

SARA – PENDÃO (pólen) – trouxe “apenas” uma semente natural, pelo desejo sexual

MARIA – CASCA, mas tinha a SEMENTE REAL (CRISTO) formada em seu ventre (revestia) – creu na Palavra, e a Palavra se fez carne em seu ventre.

* O QUE REPRESENTAM:

AGAR – teve um filho que produziu uma nação (desenfreada) – os árabes

SARA – teve filho que produziu uma nação natural, prometida – Israel

MARIA – teve um Filho à imagem da Palavra, pela fé – Cristo em carne

Vemos, portanto, obviamente, que não há bases para sustentar a doutrina da mariolatria, visto que Maria não era a Semente, ainda que creu para que o Espírito Santo cumprisse em Si a Palavra da promessa. Não fomos salvos por sangue judeu ou gentio, ou seja, de homem algum, mas salvos pelo próprio sangue de Deus, que é Aquele que tem a Semente da Vida. Vemos isso claramente na Mensagem “Zaquel, o homem de negócios”:

112 Mas então quando as veias de Emanuel sangraram, Jesus não era judeu nem gentio. Vê? O macho coloca o gérmen da hemoglobina e a célula de sangue vem do macho. A fêmea… E vocês, pessoas católicas, não para discordar de vocês, mas chamar a ela, Maria, “Mãe de Deus,” como poderia Deus ter uma mãe? Ela foi uma incubadora. Você diz: “Bem, o óvulo vem da mulher.” Mas o óvulo não veio de Maria. Se o óvulo tivesse vindo de Maria, então teria havido uma sensação. Olhe onde você coloca Deus. Deus criou ambos, o óvulo e a célula de sangue.

Exemplo de uma lavoura de milho:

 

 

 

TALO (início do crescimento)

 

 

 

 

 

 

PENDÃO (produz o pólen)

 

 

 

 

   

 

 

 

CASCA (reveste o grão, mas  não é a semente)

   

 

 

GRÃO (É A SEMENTE – A VIDA)

Em São João 12:20, quando os gregos queriam ver a Jesus, o próprio Senhor Jesus Cristo lhes mostrou que ELE (o grão original) teria que cair na terra e morrer, para produzir muitos frutos (grãos), pois, caso contrário, ELE ficaria só. Portanto, quando ELE deu Sua vida, pôde trazer outros filhos à Sua semelhança, gerados pela Palavra, reproduzindo, nesses filhos, a mesma vida que havia em Si. Como nos ensinou o profeta irmão Branham: a palavra falada é a semente original.

Aqui está o que eu estou tentando lhes dizer. A lei de reprodução é que cada espécie produza segundo a sua própria espécie, de acordo com Gên. 1:11: “E disse Deus: Produza a terra erva verde, erva que dê semente, árvore frutífera que dê fruto segundo a sua espécie, cuja semente esteja nela sobre a terra. E assim foi.” Qualquer que fosse a vida que estivesse na semente saía na planta e depois disso no fruto. A mesmíssima lei se aplica à igreja hoje. Qualquer que seja a semente que deu início à igreja, sairá e será como a semente original porque é a mesma semente. Nestes últimos dias a verdadeira Igreja Noiva (a semente de Cristo) chegará à Pedra de Cabeça, e ela será a super-igreja, uma super-raça, à medida que se aproxima Dele. Na noiva eles serão tão semelhantes a Ele que até mesmo serão à Sua própria imagem. Isto acontece para que sejam unificados com Ele. Eles serão um. Eles serão a própria manifestação da Palavra do Deus vivo. As denominações (a semente errada) não podem produzir isto. Elas produzirão seus credos e seus dogmas, misturados com a Palavra. Esta mestiçagem dá origem a um produto híbrido.

O primeiro filho (Adão) foi a Palavra-semente de Deus falada. Foi-lhe dada uma noiva para se reproduzir. É por isso que a noiva lhe foi dada, para se reproduzir; para produzir um outro filho de Deus. Porém ela caiu. Ela caiu por meio da hibridização. Ela o fez morrer.

Ao segundo Filho (Jesus), também uma Palavra-Semente de Deus falada, foi dada uma noiva como foi a Adão. Porém antes que Ele pudesse desposá-la, ela também caiu. Ela, do mesmo modo que a esposa de Adão, foi posta à prova para ver se creria na Palavra de Deus e viveria, ou então duvidaria da Palavra e morreria. Ela duvidou. Ela deixou a Palavra. Ela morreu.

Deus presenteará Cristo com uma noiva querida, proveniente de um pequeno grupo da verdadeira semente da Palavra. Ela é uma virgem de Sua Palavra. Ela é uma virgem porque não conhece nenhum credo ou dogma feito pelo homem. Pelos membros da noiva e através deles será cumprido tudo o que Deus prometeu ser manifestado na virgem. (Livro “Exposição das Sete Eras da Igreja”, pág. 147).

 

 

ESTAÇÃO PRÓPRIA PARA O RESSURGIMENTO DA SEMENTE-PALAVRA

Era objetivo de Deus ter novamente esta semente-sinal do tempo do fim na terra: a Palavra em carne humana. Para isso, o profeta irmão Branham nos ensina que a semente deve estar na posição certa para que o Sol (O FILHO), na estação correta, possa trazê-la à manifestação, conforme vemos na mensagem “A Semente não herda com a palha”:

122 Porque, como o sol nasce no princípio da primavera, sobre o trigo, observe a natureza toda no decorrer da estação girar, no decorrer do dia girar, tudo girar perfeitamente certo, com Deus. Agora  quando aquele sol quente começar a brilhar na semente, ela brota. Mas o mundo tem que estar numa certa posição para fazer aquela Semente surgir da terra. Tem que dar a volta nesta direção, e chegar em certa posição para fazer aquela semente brotar. Teve que vir dessa maneira, para levantá-la da… na era obscura.

Quando a semente original veio à cena no Pentecostes (primeiros frutos), produziu os mesmos sinais que o grão original (Cristo) produzira. Contudo, o próprio Espírito Santo já havia advertido, em Paulo, o anjo àquela era, de que lobos cruéis viriam, após sua partida, não poupando o rebanho, introduzindo doutrinas diabólicas – semente da discrepância (nicolaísmo, jezabelismo e balaanismo, culminando com denominacionalismo). E pelo fato de a semente real, verdadeira, não aceitar tais doutrinas, Satanás trouxe mesmo perseguição física àquela igreja durante as eras, tentando matar a semente real. Contudo, Deus sabe como guardar a semente na estação fria, quando a vida botânica parece chegar a seu fim, para trazê-la de volta à plenitude na primavera. Essa foi a visão de Jó, no capítulo 14, quando viu a ressurreição na árvore ao simples cheiro das águas, e mais à frente, quando Deus pôde lhe revelar a vinda do Redentor para si mesmo (Jó 19:25).

Durante as eras negras, naquele frio inverno, aparentemente não havia semente viva manifestando a Palavra, mas Deus tinha um propósito naquilo. Ele mesmo havia dito que haveria uma restauração da Árvore-Noiva. Satanás enviou os quatro animais destruidores da lavoura, tentando trazer morte à semente, por meio de credos e dogmas, numa clara tentativa de invalidar a Palavra de Deus. Mas, o Espírito Santo já havia dito que Ele restauraria os anos que comeu o gafanhoto, a locusta, o pulgão e a lagarta (Joel 2:25).

Por isso, o profeta nos ensina que, nas eras, com Lutero, Deus estava dando início ao processo de restauração prometida, com a reforma por meio da justificação pela fé (talo). Mas, ainda não era o grão em si, pois a Palavra não havia sido restaurada em plenitude, sendo necessário prosseguimento à próxima etapa com Wesley pela santificação (borla). Mas, também a semente não estava formada ainda, havendo o avanço à próxima etapa com os pentecostais (casca), com a restauração dos dons. Assim, nessa etapa, é quando o grão já está sendo formado dentro da casca, mas ainda não totalmente, pois é necessário complementar o ciclo até que chegue ao pleno amadurecimento. É nesse ponto que os pentecostais foram enganados, bem como aqueles que alegam crer no mensageiro, porém se negam a sair de Laodiceia, pensando que já chegaram à plenitude, ao ápice, como advertiu o irmão Branham, mas não dão ouvidos à voz do mensageiro do entardecer chamando-os para fora dos sistemas denominacionais, ou seja, para fora das eras, para estarem na presença do Sol (FILHO) e amadurecerem. Dentro das eras, então, não há mais Sol (Cristo), pois Ele já foi colocado para fora (Apocalipse 3:20), não havendo, portanto, nenhuma possibilidade de a semente amadurecer, consequentemente morrendo. Mas, a semente predestinada à vida sempre é atraída pelo Sol, independentemente do lugar onde esteja, pois há um poder de atração exercido pelo Sol que a alcança, como nos explica o irmão Branham na Mensagem “Como poderei vencer?”:

93 É exatamente como o lírio. Creio que o lírio é uma das flores mais bonitas que existe. Eu gosto muito destes grandes copos-de-leite e dos lírios do brejo. Eu creio que dificilmente há algo mais bonito do que um grande lírio do brejo, o chamamos de lírio d‟água. Como é radiante! E o que o faz crescer? É uma sementinha lá embaixo na lama, naquele brejo imundo. E aquela sementinha, não obstante, o esplendor que sempre brilhará nela, esteja ali dentro então, ela está na lama. Mas ela tem que se esforçar diariamente, sabendo que há algo…Está negro; está sujo; está imundo; está enlodado naquele lodo em que está vivendo, mesmo assim ela força o seu caminho através da lama, do lixo, e das águas, e dos lugares estagnados até que ele tire sua cabeça para fora na luz e expresse o que havia escondido ali o tempo todo.

 

Cinquenta dias após A ressurreição de Cristo, no Pentecostes, cento e vinte almas receberam a mesma vida do grão original, quando Ele foi movido sobre a semente prometida. Na primeira era (Éfeso), aquela igreja pôde manifestar os mesmos frutos de Cristo. Contudo, como já havia advertido o apóstolo Paulo, lobos cruéis entraram, não poupando o rebanho, introduzindo dogmas e credos, na tentativa de invalidar a Palavra. Finalmente, aquela igreja (grão) também caiu na terra e foi “sepultada” também em Nicéia (ano 325 D.C.), numa aparente mortalidade durante as eras negras. Mas, Deus mesmo havia dito que restauraria e traria vida à Árvore-Noiva. Dando início com Lutero, novamente vemos as etapas de desenvolvimento da semente até a chegada da casca, quando o falso se parece muito com o verdadeiro (casca e semente). O profeta nos explica que, Laodiceia, ou os Pentecostais são a casca, mas teríamos uma era do grão, era do Filho do Homem ou era da noiva (dentre outras expressões para explicar o presente momento), quando a casca mesmo não suportaria o grão (a Palavra), eclodindo (expulsando) o grão. Por isso, a Palavra não mais está nas eras denominacionais, ou seja, dentro de Laodiceia., pois o Filho do Homem está do lado de fora (Apocalipse 18:4 – E ouvi outra voz do céu, que dizia: Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas.)

Mens. Os Ungidos dos Últimos dias:

158 Vejam! Recordem, a casca parece com o trigo. Entendem? Agora, você não poderia dizer ali na era de Lutero: “O talo é o trigo”. Sem dúvida tem a vida. O talo está bem. A vida no talo estava bem, mas recorde, a vida avançava, avançou de Elias a Eliseu. A vida segue avançando. Mas lembre-se, está em outra etapa. Não pode permanecer nessa etapa! Nós não podemos comer carniça de outra era. Nós não podemos comer carniça Pentecostal, Metodista ou Batista! Entendem, tem chegado a ser carniça. Nós temos alimento fresco, a Palavra desta hora, assim por diante.

159 Recordem, a casca é exatamente igual ao trigo. A folha não se parecia. Nem tão pouco a espiga, mas a casca se parece. Não parecia ser Jesus Cristo – o mesmo ontem, hoje e para sempre ali com Lutero, nem com Wesley, porém com Pentecostes sim. Se possível enganariam aos próprios escolhidos. Vê?

160 Ali estão as eras. Mas recordem, essa igreja Pentecostal nos últimos dias era Laodiceia, e Cristo havia sido expulso para fora, o Grão, o Trigo mesmo. Quando Ele tratou… Recordem, quando Ele tratou de manifestar-se na igreja, Ele foi expulso. Todavia é igreja, dizem ser, ungidos. Porém aqui está a Palavra, Cristo mesmo, essa é a Palavra ungida a qual virá pelo resto de Seu corpo, a Noiva. Os ungidos da mesma água que regou o trigo, como falamos há pouco, também rega ao joio – ungidos. Somente os escolhidos ou os predestinados poderão diferenciar entre eles.

162 Agora notem! A casca do próprio grão original, que encontrou na terra, não era nenhuma organização.(Vêem?) Folhas, raiz. Então passou a outra etapa, a qual era a espiga. Ainda não era como no princípio, era uma organização. Entrou a casca, muitas folhas, Pentecostes, já quase está formada. Vejam; todo o tempo está formando-se, quase exatamente como o mesmo. Se parece exatamente com o grão de trigo quando você vê essa casquinha. Mas finalmente se manifesta sem organização é somente um condutor. Já não há condutores, o tronco tem que morrer; a casca tem que morrer, tudo o demais tem que morrer, tudo o demais tem que morrer. Mas o trigo segue vivendo. Esse é o corpo da ressurreição – os desce a recolher. Os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos. Entendem? Os recolhe na ressurreição. Estão seguindo? Certo.

163 Notem, o grão é – a casca se parece exatamente com o grão. E um homem levantando um a forma de trigo, ou algo assim, diria, “Glória a Deus, eu tenho uma colheita de trigo,” quando você não tem nada de trigo. Se parece com o trigo, mas é casca.

164 Agora, amigos, regressem comigo. De onde veio aquele primeiro avivamento depois da morte – os dias quando o grão de trigo teve que entrar na terra, o Corpo, a Noiva de Cristo? Cristo organizou Sua Noiva (é isto certo?) Sua Igreja. Ele nunca organizou; simplesmente pôs apóstolos, profetas e assim na Igreja para mantê-la. Porém em Nicéia, Roma, 306 anos depois, a organizaram e fizeram uma organização dela. É certo? E morreu! Toda coisa que não conformava com a igreja encontrava sua morte. E ficou silenciado na terra por centenas de anos. Mas depois de um tempo, ali vinha Lutero. As primeiras raminhas da raiz saíram. A segunda que a levou dali foi Zwinglio e as demais organizações. E depois de um tempo veio o Anglicano, e então o que sucedeu? Aqui vinha Wesley com um avivamento novo, a espiga. Isso se parece um pouquinho mais com o trigo. E logo que sucedeu com isso? Se organizou, secou e morreu. A vida entrou diretamente à casca veio a ser quase perfeitamente igual ao trigo. Mas finalmente sua insensatez foi manifesta nos últimos oito ou dez anos, especialmente nos últimos três anos. Agora, que faz? Se separa do trigo.

165 Agora, por que não tem saído uma organização nos últimos vinte anos desse grande avivamento? Há profeta ungidos, mestres ungidos, e assim. Mas por que não tem saído? Não há nada mais além do grão! Entendem? Está mantido sem nenhuma organização. Oh, que coisa! Um cego poderia ver isso! Não pode organizar; esta firmemente contra isso! É o grão de trigo em si mesmo. O Filho do homem será manifesto. O grão de trigo voltará a si mesmo outra vez, o filho do homem nos últimos dias. “E virão personificadores falsos nos últimos dias que se possível quase enganariam os próprios escolhidos.” Vejam seus esforços organizacionais que agora se estão retirando. Somente deixe que o trigo seja conhecido entre os escolhidos, os quais são parte dele.

166 Vejam! Quão formoso entra isso. Somente… Notem, os ungidos… Poderão os verdadeiramente escolhidos, predestinados, (Efésios 5:1 – ou melhor 1:5) serão ordenados, eles são os únicos que isto não enganaria Vejam! Os profetas ungidos serão falsos. E ali entre isto haverá os verdadeiros ungidos. Como vamos fazer diferença? Por meio da Palavra. Como temos feito em sombras. Se o vêem, digam “Amém!” [ A congregação responde “Amém!” – Ed.]

167 Notem! Os ungidos. Só a Palavra os separará, não os sinais. Oh, não! Farão os mesmos sinais. Porém a Palavra é que fará a diferença. Seguro, todos profetizarão; todos farão isto e aquilo, seguro, tudo profetizarão; todos farão isto e aquilo, seguro, tudo igual. Jesus disse que fariam as mesmas coisas. Porém foi a Palavra quem os separou, notem, não os sinais.

Ainda nessa linha, vemos o profeta nos mostrando na Mensagem “O Desvelar de Deus”:

318 (…) Depois do talo ser formado, depois da borla ser formada, depois que o grão está na espiga, então isto tem que vir para a perfeição, de volta a um grão normal outra vez. E, recordem, o grão deve ser germinado. Vêem? Se não, ele não vive. Vêem? Nada daquilo que estava fora daquelas mensagens, alguma vez terá Vida. Isto tem que ser germinado a Isto. Mas, recordem, a mesma Vida que estava no talo está no grão. Está simplesmente se amadurecendo de volta. Vêem? Ele revela a Si Mesmo em que? Filho do homem, o grão que foi para o chão. Entendeu a mensagem? Os Gregos Lhe disseram: “Queremos ver a Jesus”.

319 Ele disse, “A não ser que o grão caia no chão”. Vêem? Está certo.

320 Agora, a que Ele Se revelou em seguida? Em uma forma diferente, talo e borla, e assim  sucessivamente, e todas as folhas e tudo mais. Ele Se revelou a Si Mesmo, então, para que? O mesmo Espírito, mas em uma forma diferente. Vêem? Mas o que é a última coisa daquele milho? Aquilo volta ao grão original, não é isto certo?

321 E o Seu ministério vem das suas reformas de volta a Palavra original, outra vez. A Palavra vem a um profeta, e Ele prometeu isto em Malaquias 4, em restaurar a Fé do povo de volta ao grão original. O que foi para o chão é o mesmo que está aqui. O grão tem vindo até aqui. Ele veio como Filho de Deus, agora Ele revela a Si Mesmo como Filho do homem e então Ele revela a Si Mesmo como Filho de Davi no Trono. Vêem? Os três filhos, exatamente. Oh, que coisa, de novo como o original!

322 Agora, ao perfeito ministério de Si Mesmo; não algum homem, não alguma denominação (como eles trabalhavam através daquela era lá, vêem), mas Ele mesmo Se manifestou, manifestou a Si Mesmo a promessa, fazendo São Lucas 17:28 e Malaquias 4, e assim por diante, Hebreus 13:8, exatamente correto. Naquele tempo, que hora deveria ser? Quando a Semente Real de Abraão estava procurando pelo Filho prometido. E todos os tipos devem ser cumpridos. E Deus, Ele Mesmo, apareceu na forma de um ser humano, para a semente natural de Abraão, antes da destruição, e Jesus disse que seria a mesma coisa para esta Semente real antes que Filho prometido retornasse.

Na Mensagem “A Restauração da Árvore Noiva”, o profeta nos mostra que os mensageiros de Satanás tentaram acabar com a semente (Árvore Noiva), destruindo o companheirismo (folhas), a doutrina (casca), os frutos do Espírito Santo (frutos) e a vida (o talo), mas Deus também enviou quatro mensageiros para se contrapor ao inimigo, pois “vindo o inimigo como uma corrente de águas, o Espírito do Senhor arvorará contra ele a sua bandeira.Isaías 59:19

452 Ouçam atentamente agora. Veja! Houve quatro, quatro mensageiros de morte naquela Árvore. Não é isto certo? Lagarta, gafanhoto, locusta e pulgão. Não é isto certo? Quatro mensageiros do demônio de Roma, dogmas, matou aquela Árvore. Um tomou Seu fruto, outro tomou Sua casca – ou tomou suas folhas, um tomou Sua casca, outro tomou a Vida. Não é isto correto? Quatro mensageiros de dogmas mataram a Árvore, tudo exceto as raízes. E se quatro mensageiros da morte mataram a Árvore, quatro mensageiros da Vida restauram a Árvore!

453 Você compreendeu isto? Amém! Pois Deus disse, “Eu restaurarei Isto”. Ele restaurará Isto como? Através de quatro mensageiros mataram Isto, então quatro mensageiros da Vida restaurarão Isto. Qual foi o primeiro? Martinho Lutero – Justificação. Qual foi o segundo? João Wesley – pela Santificação. Qual foi o terceiro? Pentecostais com a restauração dos dons, o Espírito Santo, o Batismo com o Espírito Santo. Qual foi o quarto? A Palavra. Como? A Palavra!

454 Lá havia quatro grandes profetas. Um deles, Martinho Lutero, ele começou a brilhar uma Luz. Isto era uma pequena Luz, simplesmente uma pequena força de Justificação. Logo veio Wesley, mais forte – Santificação. Depois de Wesley veio um mais forte do que ele, Pentecostal, o Batismo com o Espírito Santo em outro grande profeta. Vêem? Mas no último dia de Malaquias 4, Elias há de vir com a própria Palavra. (Na Mensagem “Tentando fazer um serviço para Deus sem ser de Sua vontade”, parágrafo 212, o profeta diz que “O ELIAS DESTE DIA É O SENHOR JESUS CRISTO!”.)

455 A Palavra do Senhor veio ao profeta. Na Luz do entardecer que há de vir para restaurar e trazer isto de volta. Como? Voltar os corações dos filhos de volta à fé dos pais  – a quarta Luz.

456 Quatro assassinos tomaram Isto, quatro mensageiros destruíram Isto. Quatro mensageiros da  morte tiraram Isto fora para os dogmas; quatro mensageiros da justiça restauram Isto de volta outra vez.

458 A quarta Luz é para vir e trazer os mesmos sinais. Observe! Justificação trouxe de volta a polpa. Santificação trouxe de volta a casca, a doutrina da santidade. O que trouxe de volta as folhas? Pentecostais. O que é isto? Pentecostais, folhas, batem palmas, alegram-se, regozijam-se – Pentecostais. O que? O quarto foi a Palavra, Ela Mesma. A Palavra feito carne, frutos do fruto do sinal da ressurreição que Cristo teve finalmente, depois que a Justificação foi plantada, a Santificação foi plantada, e o Batismo com o Espírito Santo. As organizações morreram, e Cristo  outra vez Se centralizou como o topo da pirâmide.

Portanto, agora, na estação em que a semente já saiu da casca, após as eras denominacionais, é que o mistério escondido é revelado, pois a vida veio à tona e o mesmo Cristo (grão original), sempre identificado em Sua Palavra, é revelado à semente predestinada (grãos à imagem do grão original), ou seja, os filhos gerados pela Palavra. Compreendemos, então, a razão pela qual o profeta disse, na Mensagem “A Brecha entre as Sete Eras e os Sete Selos”, nos parágrafos 54 e 55:

54 Nenhuma denominação tem direito à interpretação do Livro. Nenhum homem tem direito de interpretá-Lo. É o Cordeiro Quem O interpreta. E o Cordeiro é Aquele que O proclama e o Cordeiro faz a Palavra conhecida ao vindicar e trazer a Palavra à vida. Vêem? Exatamente! Observem. E não é revelado até. . .

55 Este Livro não é revelado até que as Eras da Igreja e eras denominacionais tenham acabado, “e não houver mais tempo.” Vêem isto? Isso só é revelado após as Eras da Igreja e as eras denominacionais terem acabado.

Ainda nesse contexto, vemos na Mensagem “A Semente não Herda com a Palha”:

134 Mas agora no tempo do fim, veja esta casca aqui, agora note, no trigo. O mistério completo da – da Vida está selado dentro daquela casca. Vemos isso em Lutero, brotando. Vemos isso no pendão, saindo. Vemos isso no talo. Chegamos aqui, e agora está em forma de casca, quase igual à era pentecostal, mas o verdadeiro mistério está escondido dentro.

135 Agora lembre-se, de acordo com Apocalipse, o mistério inteiro do Livro está selado com Sete Selos, que os reformadores não tiveram chance de apresentar, os quatro estágios da reforma, os quatro estágios de quatro Animais que saíram ao encontro dos quatro poderes do mundo.

 

Este é o tempo da colheita, quando o grão irá para o celeiro (rapto) e a palha (casca) irá para o fogo. Sob o Poder Vivificador que tem aberto os Sete Selos para nós, vemos que passamos da morte para a vida, pois o mesmo Espírito que levantou ao Senhor Jesus Cristo (o grão original) dentre os mortos tem nos vivificado neste tempo (Romanos 8:11), quando o segredo da vida tem nos sido revelado por meio da abertura de Sua Palavra!

Mensagem “Ao nascer do sol – poder vivificador”:

67 (…) Estou seguro que estão vendo o que estou lhes dizendo. Ele foi movido (molho – a Palavra) sobre o povo; e pela primeira vez haverá na era da Noiva, uma ressurreição dentre o denominacionalismo tão escuro; haverá uma Mensagem mostrando que o amadurecimento completo da Palavra tem voltado de novo em todo seu poder, e que será movido sobre o povo por meio dos mesmos sinais e maravilhas, tal como Ele o fez no passado.

Redação Assim Está Escrito

  • Wesley

    Aleluia, creio que a colheita está muito próxima!