Igrejas Pretas: Inovação no Mundo Religioso

crowd-1056764_1920
A igreja não é um entretenimento. Não é para entreter. Ela é suposta a pregar um novo nascimento que lhe fará uma nova criatura em Cristo. Mas o mundo está à procura de entretenimento, algumas festas sociais ou algum tipo de sensação..

“A inovação chegou nas igrejas. Igrejas novas ou antigas estão reformando suas estruturas, e agora apostam tudo em um novo “estilo religioso”. Ambientes pretos com iluminações peculiares impressionam os fiéis. E o que mais causa estranheza é a adesão de uma cor (preta) nada comum para um ambiente religioso.”

Muitos de nós já nos deparamos com inúmeras “igrejas” com, assim denominadas, uma “nova aparência”; suas estruturas completamente pintadas de preto, púlpitos substituídos por palcos que contam com luz estroboscópica, canhões de led, cortina de fumaça, e/ou até mesmo os púlpitos tradicionais (de madeiras) substituídos por galões de óleo reciclados. Estas estão adotando, também, estilos musicais que antes não eram tidos como composições religiosas’. É assustador até onde a modernidade têm influenciado o mundo religioso. Isso mesmo, assustador!

O que muitos não sabem, e é necessário saber, é: As cores carregam efeitos psicológicos que exercem diferentes efeitos físico e tendem a produzir variação de sentimentos e comportamentos. Inúmeras pessoas, principalmente os adeptos, defendem a nova tendência como sendo “apenas a escolha de uma cor”. E para entendermos o que pode surgir através de uma escolha de cor, vamos imaginar.

Imagine um hospital pintado inteiramente de preto. Não seria assustador? Mas e se for uma igreja? Qual adjetivo você daria?

Vamos, agora, fazer uma comparação entre a cor branca e preta:

Branco (definição e atribuição)

A cor branca vem do germânico blank (brilhante). Sua associação material está ligada a neve, casamento, lírio, batismo, areia clara. Já a associação afetiva à limpeza, paz, pureza, alma, divindade, ordem, infância.

Preto (definição e atribuição)

A cor preta vem do latim niger (negro, escuro, preto). A associação material remete a enterro, morto, sujeira, coisas escondidas e muitos outros. Na associação afetiva refere a tristeza, desgraça, melancolia, angústia, dor, intriga, renúncia.

Estamos familiarizados com ambientes “cleans” (palavra inglesa que remete a limpeza, mas que na sua forma popular de uso no Brasil está associada a algo claro/“luminoso”). E certamente, ao nos depararmos com uma igreja com um ambiente escuro, o sentimento de estranhamento é inevitável, pois inegavelmente, e até de forma inconsciente, associamos a cor preta com as definições mencionadas acima.

E biblicamente falando podemos nos lembrar de inúmeros versículos que fazem aplicações entre as trevas e a luz. Então de onde será que vem tal inspiração?

Fala-se que estas mudanças foram inspiradas nas igrejas australianas. E mais especificamente pode ter suas raízes derivadas da Denominação Cristã Carismática chamada Hillsong, fundada em 1983. É uma igreja evangélica, originada na Nova Zelândia, mas que possui inúmeras “filiais” espalhadas pelo mundo. A denominação utiliza-se, fortemente, da música para atingir seus fiéis; com estilos que não são nada comuns para um ambiente religioso. Várias versões de suas músicas tornaram-se sucesso no Brasil interpretadas por conhecidos grupos musicais que atuam no universo dito “Gospel”. O que mais se houve falar é que as mudanças em estruturas e conduções dos cultos objetivam cativar e prender a atenção do público. Provavelmente intentando oferecer um local mais carismático, intimista e com personalidade.

Esses novos estilos de Igrejas estão cativando pelo mundo inteiro, cada vez mais, o público jovem e os chamados “famosos”. Basta pesquisar para encontrar inúmeros “ídolos” do futebol, da música e da TV que são adeptos a contemporaneidade religiosa.

Não devemos aplicar radicalmente as informações citadas em contextos diferentes como em uso de roupas pretas ou brancas. Como vocês podem observar, a aplicação tem caráter informativo quanto a associação material e afetiva.

Vejamos o que diz o profeta, “A igreja não é um entretenimento. Não é para entreter. Ela é suposta a pregar um novo nascimento que lhe fará uma nova criatura em Cristo. Mas o mundo está à procura de entretenimento, algumas festas sociais ou algum tipo de sensação.” Mensagem: O Que Ouviste Tu, Elias? – § 46.  E se analisarmos bem, essas igrejas possuem fortes semelhanças a casas de shows, boates, cinemas, teatros e etc. Conseguem perceber as similaridades, peculiaridades (nas referências citadas) que tornam essa “novidade” cada vez mais intrigante?

3 comentários

  • Avatar
    Isabel Freitas

    26/06/2020 as 12:27

    Meu Deus!!!!!! Que artigo maravilhoso!!!!! Deus continue abençoando essa equipe!!

    Comentar

  • Avatar
    Tiago José

    27/06/2020 as 14:16

    Um olhar sensível e explícito aos cristãos, e ‘invisível’ e sutil aos olhos do mundo (São Mateus 11:25).

    Comentar

  • Avatar
    Ione Lopes

    04/07/2020 as 00:04

    Obrigada Senhor, pelos nossos atalaias, e ajude nos a ñ negligenciarmos os avisos!

    Comentar

Deixe um Comentario

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *


Sobre nós

O Tabernáculo Belo Horizonte, uma congregação cristã, firma-se sobre as bases do Ministério Assim Está Escrito, edificado com a misericórdia e graça de Deus desde 1976, quando o pastor Wanderley Pereira Lemos começou esta tão grande obra nos pilares daquela mensagem, originada do nosso Senhor Jesus, na busca daqueles que O adorem em Espírito e verdade.


[email protected]

31 2513-0657



Newsletter


Categorias