Identificados Pelo Próprio Senhor Jesus Cristo | Pr. Wanderley Vilaça | 12/11/2017

Menu

Culto Online Web Rádio

Identificados Pelo Próprio Senhor Jesus Cristo | Pr. Wanderley Vilaça | 12/11/2017

Leitura Bíblica: São João 13:1-35 / 21:15-33
Havia um certo homem que estava em uma guerra pelo seu povo, ele precisava defender a sua família, porque caso ele perdesse a guerra, sua casa seria atacada e sua família morta. Foi então que ele teve a ideia de ir a frente de todos os seus companheiros de batalha e receber todas as lanças dos inimigos sobre si, para que assim eles ficassem desarmados e os seus aliados pudessem atacá-los e vencer. Nesta pequena experiência temos uma das maiores demonstrações de amor, porque o que este homem fez foi mostrar com atitudes, ao preço de sua própria vida, que amava a sua família e que queria tê-la salva. Logo, o amor não é somente expressado por palavras, mas pelo contrário, são os atos que realmente confirmam a sua existência.
Muitas vezes pensamos que amar é uma confissão dos lábios somente, mas na verdade quando verdadeiramente amamos algo, nós defendemos aquilo de uma maneira que ultrapassa a intensidade da raiva, coragem ou qualquer outro sentimento, por que o amor é a maior expressão que existe. Quando Jesus estava sendo humilhado e castigado pelos romanos, Maria Madalena permaneceu ao Seu lado por que ela o amava de tal forma que não podia ver nenhum perigo em defendê-Lo, o seu amor era cego aos perigos e ameaças. Mas Pedro, que dizia amar a Cristo, negou-O três vezes. Verdadeiramente Jesus o tinha avisado sobre aquilo, porque Ele o conhecia e sabia quem ele realmente era e que ele não lhe amava ao ponto que pensava.
Ele nos conhece intimamente e diante Dele não existem máscaras, por que Ele nos vê como somos. Na grande maioria das vezes nós queremos viver com o lado limpo das pessoas, mas Cristo ao lavar os pés dos discípulos queria tirar deles tudo para chegar ao lugar sujo. Ele queria tirar todas as máscaras, por que Ele sabia quem tinha a predisposição ao pecado e traição, quem estava predestinado a O trair. E será que isso não ocorre conosco, quando pensamos que temos suficiente amor por Cristo, mas que em nossos atos não condizemos com nossas palavras?
“Pedro, tu me amas?” – Foi o que Jesus perguntou a Pedro três vezes, dando a ele sempre a mesma orientação após obter a afirmação como resposta: “Então se tu me amas apascenta as minhas ovelhas”. O que Ele estava apontando era o maior mandamento que depois foi tão frisado pelo Seu discípulo mais novo, que representa a Noiva (João): Amai-vos uns aos outros. Porque amar ao Senhor Jesus é amar ao Seu povo e protegê-los, a Vida Eterna é viver para os outros.
Se não gostamos de nossa igreja é porque não a amamos. O que nós como um corpo precisamos é de amar mais uns aos outros, por que a identificação de um Cristão está no quanto ele ama, no quanto ele se sacrifica e intercede pelo outro. Precisamos saber o quanto amamos a Mensagem e a Palavra de Deus, e a maneira de saber isso é pelo que os outros tem coragem de nos dizer sobre Elas. O Reino de Satanás não tem amor, ele não pode personificá-lo. Logo, ele se encontra circunstancialmente preso do lado de fora de nossas vidas quando nós amamos aos nossos irmãos e nossas famílias. Todas as suas chaves (mentiras, hipocrisia, etc..) não se encaixam em nossas vidas e ele fica incapacitado de abrir a porta.
Não podemos nos tornar hipócritas, porque o mundo tem matado a Jesus outra vez e ficaremos nós calados? Não podemos, se O amamos, ficar calados sem fazer alguma coisa quando vemos a Satanás tentando matar a influência da Palavra em nossas vidas. Este é o momento em que mostramos se realmente estamos identificados. Pedro negou a Jesus três vezes antes de Sua morte, mas depois de ser revestido pelo Espírito no Cenáculo Alto, ele se projetou sobre todas as pessoas e defendeu Aquele que havia sido crucificado. O mesmo homem que havia negado para uma porteira sua comunhão, agora estava falando a todos os homens, príncipes e sacerdotes. Como nós, diante as adversidades temos nos posicionado?