Um Governo Enviado Por Deus – Convenção em Naviraí / MS – Pr. Wanderley Vilaça – 15/07/2017

Menu

Culto Online Web Rádio

Um Governo Enviado Por Deus – Convenção em Naviraí / MS – Pr. Wanderley Vilaça – 15/07/2017

Um Governo Enviado Por Deus – Convenção em Naviraí / MS – Pr. Wanderley Vilaça – 15/07/2017

Mateus 21:01 ao 11
I Samuel 8
Levíticos 22
Levíticos 23
Levíticos 25:18 e diante
Mensagem : Quem Dizeis Ser Este? Prg. 38

O povo de Israel, no capítulo 8 de I Samuel, decidiu que queriam sobre si o governo de um rei. Eles queriam um governo que fosse semelhante ao que as suas nações vizinhas possuíam. Mas isso nunca foi a vontade de Deus, porque Ele mesmo queria ser a liderança o povo , por meio de seus profetas, assim como Ele vinha fazendo desde a libertação do povo do Egito até aquele tempo.
O governo humano, mesmo que bom, não é a maneira provida por Deus. E os Seus filhos, os Eleitos, sabem disso, porque em suas almas existe um clamor por um outro governo, uma liderança sobrenatural que venha Dele.
Naquele tempo, Deus ouviu o pedido do povo e concedeu-lhes o que estavam pedindo, deixando bem estabelecido ali quais seriam os poderes do rei sobre os bens de cada um, o que incluía até mesmo a servidão de seus filhos a ele.
Porém os filhos de Deus clamariam constantemente por um novo governo, já que quando uma nação se encontra sob um mau domínio, ela clama ardentemente para que algo venha e mude a situação. E foi isso que o Senhor Jesus Cristo veio fazer em Sua Primeira Vinda. Os profetas há muito tempo profetizavam sobre este novo reino e como ele viria para mudar os métodos e meios da sociedade para resolver seus problemas.
Este Rei que veio através de uma virgem mudaria o costume dos reis anteriores, porque Ele, que entrou em Jerusalém montado em um jumentinho branco, simbolizou que viria não para colocar cargos sobre seu povo, mas que sim para retirar com sua pureza todas as cargas dos homens.
Tudo o que Ele tinha em si ia de volta ao povo, Ele manifestou os seus atributos para mudar os processos. Como na multiplicação dos pães e peixes, onde o alimento foi de maneira sobrenatural criado. Fome, enfermidades, tudo pode ser anulado sob este domínio, mas isso se e somente quando o povo reconhece que Aquele Homem na verdade era o Deus encarnado para aqueles dias.
Por que no primeiro êxodo a nação não foi capaz de entender quem era Moisés, o que representava sua liderança? Eles não tinham noção dos benefícios que Deus lhes dava, de como Ele mesmo proveu e proveria quaisquer necessidades. E isso gerou murmuração. A falta de revelação os fez desejar ser escravos novamente, já que inseguros viviam, sem confiar que o maná era apenas a porção necessária no dia e que não deveria ser guardado.
Jesus era mais do que um rei, profeta ou sacerdote, Ele era tudo isso e ainda mais, Ele era a própria habitação em que o povo deveria congregar. Porém no seu tempo o povo não o entendeu assim. Mas viria um tempo em que viria um semelhante a Ele, um profeta que seria a manifestação do Filho do Homem novamente na Terra.
E Jesus deixou pistas para que nos lembrássemos de como seriam os dias da vinda deste profeta. E nestas pistas podemos observar o comportamento de Abraão, já que assim como foi nos seus dias, seriam estes nossos dias. Quando Elohim, o Deus em carne, o visitou, Abraão fez de tudo para agradá-Lo e reverenciá-Lo. Ele sabia quem estava visitando-O, pois só o Deus que havia lhe dado o novo nome era quem o chamaria por Abraão, como fez Elohim.
E quem sabia os segredos dos corações? Só Deus por meio de Seus profetas poderia fazer tais coisas. Quem poderia mexer nos estatutos de Deus? Só Deus, Ele mesmo encarnado em seus profetas. Então, quem dizeis ser este William Marrion Branham? Um homem que manifestou o Reino de Deus. Mas, muitos não o viram assim.
Quando perguntaram ao profeta se a noiva teria um ministério, ele respondeu que sim, que seria um grande ministério, através do quíntuplo de Efésios. O domínio que estava manifestado em Cristo, e depois em Seu profeta seria passado agora da escala de um homem ungido para um povo ungido. Mas com quem ficaria essa liderança? Com os pastores, mestres, apóstolos, evangelistas e profetas. Todos os micro-ministérios de saúde, alimentação, prosperidade, segurança e muitos outros nestes homens estabelecidos por Deus para cuidarem de Seu povo. Um pastor deve ser visto como o homem que pode ajudar seu povo com qualquer coisa, que pode dizê-los o que fazer em todas as situações, porque até mesmo se tratando de negócios o profeta disse a dois irmãos onde deveriam comprar um terreno com petróleo. Deveríamos ter mais confiança e revelação sobre quão fundamental é o papel do pastor. Já que é ele que estabelece o Reino de Cristo em sua igreja. Portanto, tem você visto o seu pastor assim? Como Deus em carne para cuidar de seus assuntos pessoais? Para estabelecer todos os ministérios de paz em sua vida? Quem dizeis ser estes homens?