O Reino Oculto de Deus | Pastor Wanderley Vilaça | 04/05/2017

Menu

Culto Online Web Rádio

O Reino Oculto de Deus | Pastor Wanderley Vilaça | 04/05/2017

No primeiro capítulo de Apocalipse, a partir do verso 10, João descreve sobre um semelhante ao Filho do Homem. Ele tinha voz de trombeta, vestes brancas com um cinto de ouro cingido pelo peito, cabelos brancos, olhos como chama de fogo e pés semelhantes ao latão reluzente. Cada um destes itens são símbolos que representam algo. O som agudo da trombeta significa a anunciação de uma guerra ou de uma revelação, e nele existe um tom de urgência. As vestes brancas representam a cobertura da Palavra, enquanto os cabelos alvos, os olhos ardentes e os pés de latão representam maturidade e juízo divino. Porém, um detalhe a se notar é a posição do cinto, que é sobre os seios, o que mostra que não se trata de um homem, mas sim de uma mulher, a Igreja de Cristo. Além disso, possuía uma voz como a voz de muitas águas, que, nas Escrituras, representa povos.
Na primeira vinda, Cristo veio como Cordeiro e estabeleceu o seu Reino ali, que nada mais é do que a Presença de Deus com seus atributos tomando o domínio sobre algo. E quando Ele manifestou o propósito pelo qual veio não deram crédito a Sua pregação, mas sim o condenaram por ter o entendimento de quais eram as escrituras que estavam se cumprindo em seu dia. No capítulo 12 de Marcos, versículos 31 e 32, Jesus disse que a blasfêmia contra o Filho do Homem teria perdão, referindo-se a Si mesmo, mas que a blasfêmia contra o Espírito Santo não seria perdoada. Hoje, o Espírito Santo tem trabalhado através da Noiva, pois Cristo se moldou e se tornou Ela, para tomar Seu lugar e confundir o mundo. Tal acontecimento tem feito com que muitos caiam sem ao menos perceber, porque esta junção Dele com Ela ocorre em simplicidade.
Agora, durante a segunda vinda, Ele vem novamente, só que desta vez como Juiz Divino, Leão, anunciando com Sua voz a vingança do nosso Deus, para condenar aqueles homens dos dias trabalhosos que são descritos no capítulo 3 de II Timóteo. Um tipo sujo de pessoas que aparentam ser piedosos, isto é, aparentam serem cristãos, mas que no seu interior negam o poder ativo da Palavra, pois seguem as suas concupiscências.
Mas, esta mesma voz também traz revelação, porque é possível, mesmo como Juiz, enxergar Nele o Cristo Misericordioso, pois Ele não O deixou de ser. Um pouco mais à frente, em Apocalipse, João O vê com sete estrelas na mão, sete mensageiros com sete mensagens. E de Sua Boca saía uma espada de dois fios, a Palavra revelada para Seu povo. O mesmo grande e terrível dia para os ímpios é o grande e glorioso dia para os justos, os salvos. A mesma voz que traz juízo traz salvação.