O Sétimo Selo Nos Dá Vestes Brancas, Colírio e Ouro | Min. Fernando Alves | 01/10/2017

Menu

Culto Online Web Rádio

O Sétimo Selo Nos Dá Vestes Brancas, Colírio e Ouro | Min. Fernando Alves | 01/10/2017

Leitura bíblica: Apocalipse 3:14
Mensagens estudadas: Shalom, Ao Nascer do Sol – o Poder Vivificador, o Sexto Selo

“Rica sou e de nada tenho falta”! Esse é o conceito da era de Laodiceia de si mesma, que se considera rica, mas lhe faltou ouro, colírio e vestes. Sabemos que quando a Bíblia diz ouro se refere a divindade ou caráter, o colírio se refere a revelação e as vestes se referem à cobertura ou revestimento. Se Cristo mostrou a Laodiceia aquilo que lhe faltava e Ele estava do lado de fora batendo à porta, para os que ouviram o alarido chamando-os a saírem da condição laodiceana foi lhes dado ouro, colírio e vestes brancas.
Cristo não está mais em Laodiceia, Ele está em outro lugar, e convidou os Seus a estarem com Ele. O irmão Branham pregou a mensagem Shalom, que quer dizer “Paz”, “Bom dia”, mas para quem? Para os que ouviram a voz de Cristo e saíram dessa era e deixaram o espírito laodiceano. Quando o dia está para aparecer é um tempo mais escuro, porque as trevas se aglutinam, e a razão disso é porque a luz empurra as trevas para o mesmo lugar. É justamente o tempo que vivemos hoje, quando o mundo está em escuridão e toda classe de espírito sujo tem vindo à tona, mas para nós o sol raiou! Se é tempo de muita incredulidade, é tempo da fé perfeita se manifestar também! Se todas as pessoas fossem iguais, onde estaria a glória de Deus manifestada nos seus santos? As trevas estão se aglutinando, mas a Luz está se manifestando nos seus eleitos de Deus!
Não são todas as pessoas que conseguem ver a manifestação do Filho do Homem. Laodiceia não tem colírio para ver isso, pois este colírio é a revelação que recebemos: a Abertura da Palavra. Em São Lucas 24, os discípulos no caminho de Emaús estavam caminhando com Jesus, mas seus olhos estavam fechados para reconhecerem que Ele havia ressuscitado. Mas, quando Ele partiu o pão, os discípulos reconheceram que Ele estava com eles. O mesmo tem sucedido hoje: o partir do Pão abre a visão dos predestinados desta hora para viveram o evangelho do Cristo ressuscitado, recebendo o poder vivificador!
O profeta certa vez esteve num lugar onde a vegetação havia sido queimada, mas pôde observar que havia uma plantinha que sobreviveu ao incêndio, pois estava debaixo de uma rocha! O mesmo tem sucedido hoje, pois estamos em meio à mortandade, mas ao permanecemos guardados pela revelação somos salvos e ficamos vivos!
Uma das enfermidades que Jesus mais curou foi a cegueira. Em São Marcos 8, Ele tirou um cego de uma aldeia, deu-lhe a cura e disse para ele não voltar mais para lá, porque lá havia muita incredulidade. Assim também sucedeu conosco hoje, pois Ele nos tirou de Laodiceia, abriu nossos olhos e não voltaremos mais lá, não teremos mais velhas práticas.
Laodiceia está nua e não sabe. Quando Adão e Eva pecaram, eles fizeram para si vestes (religião) com folhas de figueira, mas Deus não aceitou aquilo. Então, o próprio Deus preparou para eles vestes ensanguentadas e prometeu que um dia viria o Cordeiro perfeito para nos dar novamente acesso a Árvore da Vida(Cristo), redimindo-nos. Por isso, verdadeiramente somos um povo que crê no sangue sendo aplicado hoje por meio da revelação, ou seja, a mesma vida de Cristo em nós!
Em Mateus 22, Jesus conta a parábola da Ceia das Bodas, mostrando que muitos foram convidados, mas recusaram o convite. Contudo, posteriormente o convite foi feito aos mancos e aleijados, que receberam do servo que estava à porta as vestes da Palavra para entrar nas Festas das Bodas. Precisamos receber toda a Palavra, como temos na passagem de Elias e Eliseu. Não foi o manto de Elias que se adequou ao tamanho de Eliseu, foi Eliseu que se adequou ao manto para que ele lhe servisse. Assim também, somos nós que temos que nos adequar à Palavra. Como aconteceu com Eliseu, sempre aparece críticos quando estamos avançando, como diziam a Eliseu (tipo da noiva), que Elias seria tomado, mas ele não desistiu e recebeu porção dobrada do espírito de Elias, quando o manto lhe foi entregue.
Laodiceia tem ouro monetário, mas não tem divindade e não podem refletir o caráter do Esposo. Uma das características do espírito laodiceano é não suportar a correção para se alinhar à Palavra. Contudo, os eleitos que saíram de debaixo da unção dessa era são humildes e aceitam as correções divinas para serem moldados à imagem de Cristo. Caráter é uma vitória: assim como o ouro deve ser batido para toda impureza ser retirada, estamos sendo moldados para chegarmos à perfeição.
Quando estava pregando o Sexto Selo e falava da tribulação, o profeta faz uma abertura para contar a parábola da prima órfã, mostrando muitos detalhes a nosso respeito. A noiva não passa pela tribulação, pois estará no palácio com o esposo. A prima órfã conhecia o rapaz da empacotadora e sabia o porquê de sua presença. Ele lhe revelou que estava em busca de uma esposa que refletisse seu caráter e que ela era a escolhida! O mesmo tem ocorrido hoje conosco, ao recebermos a promessa de Cristo, segredada aos nossos ouvidos! Estamos como aquela moça esperando o dia da chegada da carruagem, já casados pela Palavra, vivendo em outra dimensão, sabendo que recebemos o ouro, colírio e vestes brancas!