O Sétimo Selo Revelado em Tipos e Figuras – Parte II | Pr. Samuel Nascimento | Domingo 17/09/2017

Menu

Culto Online Web Rádio

O Sétimo Selo Revelado em Tipos e Figuras – Parte II | Pr. Samuel Nascimento | Domingo 17/09/2017

Jesus, ao se referir ao tempo em que estamos vivendo, selecionou dois momentos históricos que se encontram no livro de Gênesis: O tempo de Noé e o tempo de Ló. Vimos que Noé foi divinamente avisado, passando por cima do juízo, sendo transportado do velho mundo para o novo mundo. E que naquele tempo, a Terra vivia debaixo de uma unção que cultuava a violência e zombava da Palavra. Assim como hoje, naqueles dias Lameque entoava cânticos de exaltação a violência. Porém, o mundo não percebeu que Noé e sua família estavam desaparecendo, até que desceu a chuva prometida, que foi responsável tanto por elevar os preparados em segurança, quanto por matar todos que estavam adorando o deus desta era maligna. O que se encaixa em nossas vidas, porque as chuvas de Deus tem caído sobre nós, para nos dar capacidade de vencer o mundo e estas mesmas chuvas são responsáveis por condenar quem as tem rejeitado. Logo, temos vivido em meio a cadáveres que estão boiando sobre as águas do julgamento, quando grandes pessoas e celebridades são os defuntos num dilúvio.
Quando as águas abaixaram a arca pousou sobre o monte Ararate, que representa a Sétima montanha, e ela entrou em um descanso. Neste ponto, não havia como os que estavam dentro saírem e os que estavam fora entrarem. Quem creu na terceira etapa não consegue mais sair e quem não creu não consegue mais entrar, por que mesmo que queiram, suas capacidades não os permite. E quando a porta da arca se abriu, a única coisa que eles viam era a Luz do novo mundo. Então, vendo que estamos selados sob essa doutrina da Palavra e não deveríamos mais dar ouvidos a pensamentos e complexos que Satanás tenta colocar em nossas mentes, pois temos recebido os trovões, que são a única coisa que nos permitiria receber o Espírito Santo. Além do mais, Deus não seria irresponsável de nos trazer um profeta e não cumprir nele todo o Seu chamado, deixando Sua esposa sem perspectiva e sem fé de rapto.
Enoque sabia o dia em que seria levado, pois se despediu de sua família e lhes disse que aquela viagem não teria retorno. Elias também sabia quando seria levado, ele tinha consigo onde deveria caminhar até chegar no dia e local de ser raptado. Jesus sabia que morreria, seria sepultado e ressuscitaria levando consigo os santos do antigo testamento. Moisés e Elias, na sua quinta manifestação, sabem como será ao irem pregar para os Judeus, eles sabem como sucederá. Todavia, deixaria Deus Sua esposa desavisada? Não que estejamos estabelecendo um momento exato para o rapto, mas o que dizemos é que não seremos pegos de surpresa.
Partindo um pouco mais a frente, na galeria dos heróis da Fé de Hebreus 11, temos Abraão. Certo dia, ele recebeu a visita de três homens, dentre os quais Um lhe chamou pelo seu novo nome, nome do qual somente ele e Deus sabiam, e isto fez Abraão entender que O visitante era o próprio Deus. Os outros dois anjos foram a Sodoma, mas Elohim permaneceu com ele e lhe contou todos os Seus segredos, pois era o Seu amigo, e lhe visitou novamente no tempo da vida, em 28 dias, deixando que Abraão soubesse quando seu corpo seria transformado.
Isso aconteceu na hora mais quente do dia, no momento mais difícil, onde ele estava com batalhas em sua mente. Mas, unicamente pela fé, Abraão e Sara receberam a transformação de corpos. E quando a Igreja perceber que não importa seu passado ou condições, que é apenas pela fé (assim como tiveram os homens do velho testamento) neste momento, verdadeiramente nada parará diante do seu caminho. Por que mesmo Sara que não tinha suficiente fé, foi elevada por estar dentro do pacto. Por fé, ela recebeu virtude para conceber fora da idade.
Mais à frente na galeria da fé, Paulo fala sobre Isaque, a representação do amor, abençoando seus dois filhos. Onde ele pela fé, dá a benção da primogenitura a Jacó e não a Esaú, no tocante as coisas futuras. Jacó havia feito a si mesmo algo que não era, ele tentou enganar seu pai e conseguiu. Por que Isaque sendo o amor, não se contentou apenas em ouvir a voz de seu filho, ele quis tocá-lo, o que não se faria mais necessário, já que a voz mostra quem é a pessoa.
E lhe abençoou no tocante as coisas futuras, foi isso que o manteve firme na fé. Não é a nossa fé nas coisas presentes que tem nos mantido fiéis, o que não nos permite cair é o firme fundamento de nosso rapto e transformação de corpos para sair deste mundo, por mais que o tempo presente não esteja a nosso favor. Não foi por engano que Jacó foi abençoado, mas por fé. Ele não nos abençoa por quem somos agora, pelo que fizemos ou não, mas por que Ele nos viu chegando lá.
Então Paulo, ao contar sobre Jacó, não diz sobre os grandes momentos de sua vida no qual reputamos importantes, mas ele apenas falou sobre o momento próximo de sua morte, quando por fé, abençoou cada um dos filhos de José e adorou encostado a ponta de seu bordão. Parece que houve uma desvalorização com os outros momentos de sua vida, mas aquele momento era o mais importante para o Espírito. Por que José, simbolizando a perfeição, trouxe seus dois filhos para receberem a benção, já colocados da maneira correta, mas Jacó, a graça, trocou as mãos ao se aproximar deles e deu a benção ao mais novo. Aquele foi um ato de fé, nem mesmo a perfeição entendeu a graça. Mas agora, sabemos que naquele momento a benção de rapto estava sendo passada dos judeus para os gentios. Por isso não devemos fazer juízo de valor sobre aquilo que o pastor decidiu, porque Deus ainda troca Suas mãos.
E por último, José, que próximo de sua morte, fez menção da saída dos filhos de Israel e deu ordem acerca de seus ossos. Desta maneira, ele os lembrou da promessa que foi feita a Abraão que a quarta geração tornaria para a terra prometida. E os seus ossos eram um memorial, que aos 400 anos Deus cumpriria a promessa. E o nosso José nos prometeu que Deus também nos visitaria com um profeta, que assim como Moisés seria o próprio Deus, ele nos levaria a um terceiro êxodo. Trazendo agora, a mesma nuvem, que foram dados os dez mandamentos, os Sete Selos. A mesma comissão com os mesmos sinais. Certamente Deus nos visitaria! Agora estamos esperando que nosso José desça da sétima dimensão e traga nossos irmãos para nos glorificar. Deus nos ama maravilhosamente!