1

Maledicência: Se não puder falar bem de alguém, cale-se!

Constantemente temos ouvido sobre maledicência ou popularmente conhecida como, “falar mal dos outros”. Aparentemente todos são contra este ato, pois ninguém quer ser mal falado e muito menos transparecer ser maledicente, já que este é um ato abominável, no qual ninguém apoia ser.

Olhando para nós mesmos percebemos que é fácil surgir uma fajuta desculpa: “estou apenas comentando”, mas com isso enganamos a nós mesmos, nos fazendo acreditar que não estamos cometendo nenhum erro.  Com as palavras que estamos recebendo diretamente de Deus através de pastores e ministros podemos enxergar com clareza que não é tempo de desculpas. Deus não aceita desculpas! Se fizermos uma profunda análise de nossas conversar e atitudes, poderemos afirmar com sinceridade que não somos maledicentes?

Se alguém se considera religioso, mas não refreia a sua língua, engana-se a si mesmo. Sua religião não tem valor algum!  Tiago 1:26

O maldizente é citado na mesma categoria de ladrões, sodomitas, idólatras, adúlteros e avarentos, como vemos em I Coríntios 6:9 e 10ele faz parte do grupo dos que não herdarão o Reino de Deus. Colocaríamos a nossa Salvação a perder por causa disso? Nesta citação bíblica identificamos o quão sórdida é a maledicência. O indivíduo difamador tem sua língua a serviço de satanás, enquanto que o cristão verdadeiro não usa a língua para difamar. O homem perverso provoca dissensão, e o que espalha boatos afasta bons amigos, como lemos em Provérbios 16:28afirmamos então, que o difamador é cercado de falsos amigos, e a lei natural é colher o que se planta.

O mexerico pode ser para muitos, entretenimento, uma maneira de se distrair e até de rir e, no ato parece não causar mal algum, mas a calúnia é um mal quase ou completamente irreversível. É como uma metástase, que se espalha e mesmo que se tente nunca será totalmente controlada. É prudente aquele que realmente não fala dos outros, está evitando problemas e está mais perto de ser como Cristo.

Cremos que o irmão Branham foi o primeiro grão amadurecido desta era e, o temos como padrão de uma vida segundo a vontade de Deus. Dele podemos afirmar com precisão que não era um caluniador. Ora irmãos, temos que ser mais sinceros. É nosso objetivo de fato sair dessa terra ou estamos apenas seguindo tradições? Sinceridade não é em hipótese alguma dizer alguns bordões como: “Se precisar eu falo mesmo”, ou será que podemos imaginar Jesus dizendo isto? Ele era sincero de verdade! A maledicência é um mal que atinge muito os que são vítima dela, mas não tanto como ao que a pratica. Na mensagem “O Som Incerto”, o irmão Branham nos diz, no parágrafo 98, que a maledicência, assim como outros atos ilícitos, voltará um dia aos seus praticantes no leito de morte.

“Um homem que está na presença de Deus, que compreende que Deus está perto, notou você alguma vez um pecador? Deixe uma pessoa piedosa se aproximar, ele cessará com a sua maledicência, se ele tiver algum respeito afinal. Vê? Ele não contará as anedotas sujas que ele teria contado. Vê? Veja, ele cessará isso, porque ele sabe que ele está na Presença de Deus, porque habita no tabernáculo do Seu povo. Vê?” – Em Sua Presença p. 73

Em Mateus 5:22 Jesus diz que qualquer que se irar com seu irmão estará sujeito a juízo. É como se cometesse homicídio. Em I Crônicas 22:8 lemos que Deus não permitiu que Davi construísse o templo, porque havia matado muita gente e promovido muitas guerras. Davi que era o homem segundo o coração de Deus. Assim, vemos que a Maledicência é um atributo da ira contra alguém, se Deus não permitiu que Davi construísse o templo por isso, também não aceitará nossos sacrifícios se estivermos em ira com nossos irmãos.

Talvez, seja mais fácil deixar de falar dos mais próximos, mas mesmo assim, muitos caluniam aquele a quem chama de amigo. E isso é comum. Porém, em Mateus 5:44 Jesus diz “Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus” e no versículo 44 “Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo?”

Às vezes, não somos aquele que está caluniando alguém, mas nos tornamos cúmplices se ouvirmos e formos neutros ou mesmo se concordarmos com aquelas afirmações, sendo assim, culpados como quem está falando. Temos base para isso em I Coríntios 5:11 “Mas agora vos escrevi que não vos associeis com aquele que, dizendo-se irmão, for devasso, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador; com o tal nem ainda comais.” Podemos citar alguns outros versículos sobre qual atitude devemos tomar:

IRMÃOS, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão; olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado”  Gálatas 6:1

“E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles”  Romanos 16:17

Mas a resposta mais concreta está em Mateus 18:15-17Se o teu irmão pecar, vai corrigi-lo a sós. Se ele te ouvir, ganhaste o teu irmão. Se não te ouvir, porém, toma contigo mais uma ou duas pessoas, para que toda questão seja decidida pela palavra de duas ou três testemunhas. Caso não lhes der ouvido, dizei-o à Igreja. Se nem mesmo à Igreja der ouvido, trata-o como o gentio ou o publicano.

Ao meditarmos sobre assuntos como esse é que percebemos a quantidade de coisas, que às vezes são consideradas pequenas, mas que podem ser um grande problema. A questão é que, são essas pequenas coisas que nos impedem de levarmos uma vida irrepreensível na presença de Deus. Vencer este corpo, no qual habitamos, é a nossa maior batalha. Nossa alma clama por libertação dessas coisas que nos atormentam. Deus está esperando de nós, ações que realmente demonstram para Ele o nosso desejo sincero de sermos arrebatados.

Evite as conversas inúteis e profanas, pois os que se dão a isso prosseguem cada vez mais para a impiedade. Não caluniem ninguém, sejam pacíficos, amáveis e mostrem sempre verdadeira mansidão para com todos os homens. Vida eterna é viver para outros! Deixar a maledicência é impossível, se não estivermos dia após dia conectados com Ele, pois de nós mesmos, jamais seremos capazes de cumprir as leis, mas Ele em nós fará com que sejamos invencíveis e irrepreensíveis, em sinceridade e amor. Que Ele seja nossa preeminência!

“Mas eu digo que, no dia do juízo, os homens haverão de dar conta de toda palavra inútil que tiverem falado.” Mateus 12:36

Redação Assim Está Escrito

Comentário(1)

  1. Responder
    Joao Paulo says:

    Muito bom, ótimo ensinamento

Postar um comentário: