8

O Amanhã Pertence A Deus

“Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão? E o produto do vosso trabalho naquilo que não pode satisfazer?” (Isaías 55:2)

Vivemos em uma Era de consumismo intenso, onde, todas as coisas que adquirimos são/foram feitas para durar pouco, para que assim possamos ter a oportunidade de trocá-las quando estivermos cansados delas. Ou seja, ao nosso prazer próprio.

Diariamente nossos olhos são participantes de propagandas sedutoras e criativas, através das mídias digitais, jornais, outdoors, revistas, “muros”, mensagens em nossos aparelhos celulares, panfletos distribuídos nas ruas e até mesmo em nossas caixas de correios. Tudo isso com o intuito principal de nos fazer pensar todo o tempo sobre os produtos oferecidos, até chegarmos à conclusão de que não podemos viver sem eles.

Podemos definir dois grupos de pessoas, um  do consumismo e o outro do consumo. Pode parecer que ambas as palavras têm o mesmo significado, mas não. O “consumo” é quando as pessoas adquirem somente aquilo que lhes é necessário. Já “consumismo”, na definição da palavra, se caracteriza pelos gastos excessivos em produtos supérfluos.

Deus Se fez carne para que sua vida fosse um exemplo do que devemos ser/fazer. Ele fez tudo para deixar um exemplo. E Ele mesmo sendo o Rei dos reis e Senhor dos senhores, viveu somente do necessário a cada dia. Jesus disse em Mateus 6:25: “Portanto eu digo: Não se preocupem com sua própria vida, quanto ao que comer ou beber; nem com seu próprio corpo, quanto ao que vestir. Não é a vida mais importante que a comida, e o corpo mais importante que a roupa?”

Que os valores do mundo atual estão inversos não é novidade para ninguém. O que não podemos permitir é que isto chegue até nós, os eleitos desta última hora. Não podemos confundir consumismo com prosperidade, pois nós somos a prosperidade de Deus.

O irmão Branham nos conta uma de suas maravilhosas experiências que servem de exemplo para todos nós. Na mensagem ‘Eu Sei’ (Mensagem de Páscoa), nos parágrafos 31 ao 35, ele diz; “Há poucos dias quando eu saí do lugar mais bonito e suntuoso que já vi em toda a minha vida, foi o grande edifício do nosso irmão Oral Roberts. Quando eu vi aquele duro mármore, sem nenhuma janela em parte alguma, mas da forma que ele foi edificado… E eu já estive em Hollywood e já estive em palácios de reis, e já estive em quase todas as partes em que eu poderia estar, ao redor do mundo, e toda ostentação, lindos lugares e casas, mas eu nunca vi nada, nenhum lugar, que se comparasse de algum modo com aquele. Como os pequenos fios de alumínio foram tramados – unidos no interior, e, oh, eu nunca vi nada tão ostentador em toda minha vida. Quando eu passei por ali, passei minha mão pelas colunas – pilastras, e – e eram de um magnífico granito; todas em forma da trindade de Pai, Filho e Espírito Santo, as – as esculturas daquilo, todas aquelas coisas… Acabei de chegar lá do irmão Tommy Osborn, e vi a sua grande, obra poderosa ali para o Senhor. Parei do lado de fora, olhei de volta para aquele edifício, e pensei: “Deus, com certeza me tornei um hipócrita; com certeza me tornei um rejeitado em algum lugar; pois o ministério destes homens saíram do meu.” E eu pensei: “O que acontece?” Talvez eu seja muito incorreto, Senhor, que Tu não pudeste confiar em mim nada assim. Até mesmo os pequenos, poucos dólares que Tu me permitiste pagar pelas campanhas e coisas, agora eles estão tentando me mandar para a cadeia por causa disto. E por que sou hipócrita, ou por que sou uma pessoa tão incorreta?” Eu estava em um monte de cinzas como esteve Jó no passado. Quando parei ali do lado de fora, dificilmente conseguia tomar meu fôlego, com tanta majestade, que um pobre garoto nascido em uma cabana, um Pentecostal, poderia fazer e trazer aquilo para dentro daquele edifício gigantesco. E eu pensei: “Ó, Deus, talvez eu não seja digno.” Logo então uma pequena Voz veio através daqueles corredores e disse: “Mas Eu Sou a sua Porção.” Então eu pensei: “Ó Senhor Deus, oh, apenas deixe aquilo ficar daquela maneira, então, Senhor. Eu … Porque eu não teria a inteligência de levar em frente uma grande obra como aquela para Ti. E eu sou uma – uma pessoa iletrada. Mas contanto que Tu sejas a minha Porção, eu sou Teu, e Tu me guiarás. Eu não poderia guiar a mim mesmo. Mas, oh Senhor, guia-me.

Devemos nos submeter ao domínio total do Espírito Santo, deixando que Ele seja a nossa porção. Sejamos cada um de nós uma porção de Deus, não sendo sustentados por nossos próprios esforços, mas pelo poder da Palavra de Deus. Sejamos como os pássaros (“Contemplai as aves do céu não semeiam, não colhem, nem armazenam em celeiros; contudo, vosso Pai celestial as sustenta. Não tendes vós muito mais valor do que as aves?” Mateus 6:26), ou como os lírios (“Por que vocês se preocupam com roupas? Vejam como crescem os lírios do campo. Eles não trabalham nem tecem. Contudo, eu digo que nem Salomão, em todo o seu esplendor, vestiu-se como um deles.” Mateus 6:28-29).

Não nos deixemos ser levados pelos prazeres passageiros desta terra, e não estejamos ansiosos e desejosos pelos tesouros desta Era que se desvanecem, mas sim, pelos tesouros eternos do céu. Não nos preocupemos com o dia de amanhã, mas busquemos com fervor primeiramente o Reino de Deus, pois em Mateus 6:31-34 diz: “Portanto, não se preocupem, dizendo: ‘Que vamos comer?’ ou ‘Que vamos beber?’ ou ‘Que vamos vestir?’ Pois os pagãos é que correm atrás dessas coisas; mas o Pai celestial sabe que vocês precisam delas. Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas serão acrescentadas a vocês. Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã trará as suas próprias preocupações. Basta a cada dia o seu próprio mal.”

É necessário renunciarmos todos os prazeres pecaminosos de Laodicéia. O “marketing sedutor” está cada dia mais atrativo e desejoso para tragar cada um de nós, para nos levar às inúmeras e incontáveis dívidas. Até que cheguemos ao ponto de acusarmos a Deus de não cumprir Suas promessas em nossas vidas, já que temos sido dizimistas e ofertantes.

Em Gálatas 5:16-17 diz: “Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne. Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis.” Andemos guiados pelo Espírito Santo para que não sejamos participantes das ofertas e oportunidades oferecidas por Satanás. Evitando também o desperdício, e nos lembrando de João 6:12, onde Jesus ordenou a seus discípulos que recolhessem os alimentos que sobrara, para que nada se perdesse.

Se pararmos por apenas alguns minutos para pensarmos com sinceridade, perceberemos que nem sempre precisamos comprar tudo o que compramos. E como cristãos, devemos tomar muito cuidado, pois algumas vezes nos endividamos porque gastamos com insensatez, sem uma real necessidade e até mesmo por vã vaidade. Sem falar no fato de que um dos maiores erros que muitos de nós cometemos é gastar acima da capacidade de nossos ganhos, e assim, temos como resultado o aumento constante de dívidas. Com isso, podemos observar que nem tudo o que pensamos ser “necessário” para nós de fato é uma necessidade.

A abertura da Palavra tem nos levado a um lugar onde viveremos pelo poder da Palavra falada, onde caminharemos por fé e não por vista. Deus quer nos trazer a um lugar onde falaremos e criaremos, e não conseguiremos chegar a este patamar mais alto se continuarmos confiando em uma estrutura financeira; ligados a coisas materiais. E ao olharmos para a Palavra de Deus, perceberemos que a linhagem de Caim foi formada por homens sábios e de vida financeira superior, no entanto, todos estes pereceram na grande destruição antediluviana.

Mas em contraponto, também vemos a linhagem de Sete, sendo esta formada por homens humildes, fazendeiros e criadores de ovelhas, que descansaram em Deus sabendo que herdariam todas as coisas. Assim, se estamos acostumados exercer mais o passar de um cartão ao invés de falar e criar, não estamos tomando Deus em Sua Palavra, e nem mesmo estamos preparados para lutar contra os poderes de Satanás desta era de Laodicéia. E um dos sinais desta era maligna é a aparência financeira e social, como podemos ver o irmão Branham dizer, na mensagem “As Sete Eras Da Igreja- A Era Da Igreja De Esmirna” nos parágrafos 60 ao 62, onde diz: “Mas quando você nota uma estrutura financeira ou social entrando na igreja isto divide o povo de qualquer maneira – isto não é de Deus. É um outro sinal do tempo nesta Era de Laodicéia fisicamente rica, mas espiritualmente empobrecida na qual estamos agora vivendo. “Conheço tua pobreza”. Vocês notaram que sua pobreza está ligada com a sinagoga de Satanás naquele mesmo verso? Sim, é a organização rica e poderosa que tem a riqueza e sempre expulsa o pequeno povo que serve a Deus. Quando o Espírito de Deus move nos corações dos homens, quem é que deixa os edifícios e a propriedade? O pequeno rebanho sempre perde para a grande organização. E para onde o povo vai então? Eles adoram em casa, velhos edifícios de armazéns, e porões, assim como fizeram quando foram para as catacumbas. Estas pessoas eram pobres nos bens materiais. Certamente. Mas eles eram ricos no Espírito.

Grandes homens da Bíblia eram pobres em bens materiais, mas ricos em Espírito. Enquanto Moisés estava no Egito era rico e poderoso, e tinha muitos servos para servi-lo. Mas, em Midiã ele viveu como pastor de ovelhas, pois Deus o estava preparando para O representar, como um líder de uma nação de milhões de pessoas. Já João Batista, mesmo sendo filho de sacerdote, foi para o deserto com apenas nove anos e viveu uma vida simples. Suas roupas eram feitas de pelos de camelo, sua alimentação era baseada em gafanhotos e mel silvestre, e ainda com toda esta simplicidade foi mais que um profeta. Paulo foi um fariseu, e cresceu sob os cuidados de Gamaliel. Porém, após se encontrar com a voz de Deus nunca mais foi o mesmo, tornando-se pobre em bens materiais, mas cresceu no conhecimento de Deus. Ele mesmo afirmou que, depois que conheceu a Jesus Cristo, perdeu todas as coisas que possuía e as considerou como escória (Filipenses 3:8). Nosso querido irmão Branham, o sétimo mensageiro de Apocalipse 10:7, o primeiro grão amadurecido desta era nunca teve um carro do ano, e nunca morou em uma aparente casa. Mas, sua vida foi a plena manifestação de Cristo.

Na mensagem “As Sete Eras da Igreja- A Era da Igreja de Esmirna”, no Parágrafo 23, o irmão Branham diz: “Ora, isto não é em nada contra as pessoas ricas porque Deus pode salvar o rico. Alguns dos filhos de Deus são ricos. Mas o dinheiro pode ser um laço, não somente aos que o possuem, mas também aos que não o possuem. Lá no passado na primeira era, Tiago brada aos que estavam colocando sua confiança nas pessoas ricas, “Não tenhais a fé de nosso Senhor Jesus Cristo em acepção de pessoas”. Os pobres ali estavam tentando exaltar os ricos a fim de conseguirem ajuda, ao invés de confiarem em Deus. “Não façais isto”, diz Tiago. “Não façais isto. O dinheiro não é tudo. O dinheiro não é a resposta”. E hoje também ele não é a resposta. Temos mais riqueza do que jamais tivemos e no entanto está sendo feito menos espiritualmente. Não é com o dinheiro que Deus opera. Ele age pelo Seu espírito. E esta ação do Espírito vem somente a uma vida consagrada à Palavra.

Não devemos parar de estudar ou trabalhar em prol de nosso sustento enquanto estamos nesta terra. Só não devemos confiar mais nessas coisas do que em Deus. Se está “plantando batatas”, plantem-nas. Busque a Deus como se Ele fosse voltar hoje, e trabalhe como se Ele fosse voltar amanhã.

Podemos ver isso na Mensagem “Liderança”, no parágrafo 54, onde o irmão Branham diz: “Escolaridade está bem, você deve ir a escola e aprender. Está vendo, isso é bom, mas isso não lhe salvará. Ter bastante dinheiro, isso é bom, você poderia criar seus filhos, dar-lhes roupas e coisas boas. E como o papai e a mamãe têm trabalhado por todos vocês, e coisas assim. Isso é bom, mas isso ainda não lhe salvará. Está vendo? Ou, você poderia entrar num laboratório e aprender como juntar várias coisas, ou desintegrar átomos, ou o que quer que se faz, e – e entrar num – num foguete e – e ir à lua, mas isso não lhe salvará.”

 Se Deus nos concede finanças é para algum propósito, e Ele nos perguntará como e com o que usamos o dinheiro que Ele nos deu.

Na mensagem “Sem Dinheiro e Sem Preço”, no Parágrafo 47, o irmão diz: “Se Deus nos dá coisas para fazer, e nos dá dinheiro, e nos faz a nação mais rica sob o céu, então Deus perguntará “o que” fizemos nós com isto. “Ora” gastamos nós nosso dinheiro em coisas que não satisfazem? Não somente para uma nação, mas aquilo será para os indivíduos; de centavos a milhões de dólares, será dado a cada um.

Sendo assim, reconhecer que o amanhã pertence a Deus é receber a revelação de que Deus cuida de nós dia após dia. É receber a revelação de nossa eleição! Oh! Que grande conforto podemos ter em saber que o amanhã pertence a Ele, e que Ele é fiel para cumprir com Sua Palavra.

“Lança o teu cuidado sobre o Senhor, e ele te susterá; não permitirá jamais que o justo seja abalado.” Salmos 55:22

Redação Assim Está Escrito 

Comentários(8)

  1. Responder
    Ricardo Lima says:

    Deus abençoe irmãos! Maravilha ler algo tão verdadeiro e edificante pela manhã. Vida cristã é isso!!

  2. Responder
    Sara Maria Gonçalves says:

    Creio que o Amanhã só pertence a Deus , quero que Ele cuide do Meu amanhã

  3. Responder
    Sara Rodrigues Oliveira says:

    O Senhor é minha porção. Que graça é saber que meu amanhã pertence a Deus. Louvado seja o Nome do Senhor Jesus! !!

  4. Responder
    Rute Leia says:

    Um ministério completo cuidando do povo de Deus até nesses assuntos. Ele tem provido tudo para a noiva, esses textos são cartas direcionadas a mim. OBRIGADO SENHOR

  5. Responder
    Leonardo Paixao says:

    Excelente artigo.
    Deus continue abençoando os irmãos. Belo trabalho! De muita ajuda.

  6. Responder
    Isabela says:

    Maravilhoso!!
    “E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” (Rm 12:2)

    Deus continue abençoando os irmãos

  7. Responder
    Olinda Teixeira da Costa says:

    Maravilhoso texto e muito Edificante,

  8. Responder
    Marcelo Antônio says:

    É verdade.

Postar um comentário: