4

Até Quando Este Assunto?

No ano passado, postamos aqui em nosso site, um artigo intitulado: “Redes Sociais: Até Quando em Nossas Vidas?”. Dentre todos das nossas postagens, este foi o segundo artigo mais lido, compartilhado, e, comentado. No artigo em questão abordamos a história e a maneira como as redes sociais chegaram no meio do povo “desta mensagem”. A luta incansável dos pastores e ministros, e os estragos que esses meios de comunicação causaram/causam.

O combate às redes sociais é muito expressivo nos púlpitos de tantas das igrejas, que este assunto pode parecer batido (sem importância) e repetitivo. E talvez até pareça ser um mal invencível. Porém, por mais incrível que pareça ser, este assunto causa impacto, além de também causar certa mobilização nas pessoas. É algo tão notório e presente, mas que mesmo assim não é visto. Parece hipnotizar a certo ponto, que, muitos voltam ao ciclo viciante das redes sociais mesmo depois de ouvirem sobre, e de terem desejado eliminá-las de suas vidas. E assim, após um tempo, sem perceberem, acabam atoladas em problemas que não sabem de onde vêm.

Hoje, a internet e as redes sociais são como uma terra sem leis, onde, todos publicam (falam) o que querem, repassando (pregando) suas próprias teorias sobre os mais variados assuntos. Nela também vemos muitos jovens e adolescentes sendo influenciados por outros que não possuem experiência alguma, e assim toda “sorte” de “balelas” são despejadas em suas mentes, causando diversas consequências.

“Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo;”
Colossenses 2:8

Dificilmente um cristão envolvido com a Palavra será visto expressando suas opiniões, e/ou divulgando sua rotina. Talvez, esse tipo de cristão não se sinta bem neste ambiente, e o envolvimento com a Palavra acabaria tendo que dividir espaço com as atividades virtuais. Basta fazer uma análise de quais são os que mais estão presentes por ali para discernir.

Atualmente, muitos crentes nesta mensagem se vangloriam por terem retirado de dentro de suas casas, a televisão. E sabemos que de fato, isso é muito bom para o cristão. – Mas pense: Não será fácil demais deixar a televisão agora, justo quando ela está em declínio, e até muitos incrédulos já perderam o interesse por ela?

Hoje, a televisão não é mais o maior meio de entretenimento eletrônico e doméstico, como foi nos anos 90, quando muitos de nós não conseguiam deixá-la. Mas, agora ela é ultrapassada, “cafona”, e deixá-la já não é sacrifício. Sendo assim, talvez estejamos enganando a nós mesmos. Este “ar” de vanglória soa um pouco hipócrita. Pois deixar a televisão e assinar serviços como a ‘Netflix’, ou, mergulhar nos canais do ‘YouTube’, e etc é exatamente o mesmo mal. Porém em canais e formas diferentes.

Deus quer um sacrifício genuíno. E abster-se do mundo é fugir das coisas que estão em alta no momento. – Pense: Satanás quer que continuemos pensando que certas coisas não são prejudiciais à vida cristã. Ele quer nos manter sempre entre dois lados; fazendo a mistura do Santo e do profano em nós.

Não importa se estamos nas redes sociais com a desculpa de que não vamos nos envolver com coisas indevidas, estarmos lá, já prova que algo profano sempre chegará até nós, só que, de uma forma mais sorrateira. Ter contatos mundanos, segui-los e compartilhar suas postagens e dizer que não estamos nos envolvendo, é o mesmo que ir a uma boate e dizer que não nos envolvemos com o espírito que habita ali. O mesmo espírito mau que poderia entrar em nós em um cinema, boate, bar e outros lugares impróprios, encontrou um meio de ir até às nossas casas, através das redes sociais.

Este mau, as redes sociais, será difícil de vencer. Por isso, os santos do Senhor precisarão combatê-lo incansavelmente, e muitas vezes poderão não ver resultados. Contudo, a missão para a qual foram chamados por Deus será cumprida. Não esperemos mudanças no comportamento das massas em relação à estas coisas. Mas, façamos com que aquilo que temos lido e ouvido seja praticado em nossas vidas.

E iremos novamente questionar a nós mesmos em um artigo: ‘Até Quando As Redes Sociais Farão Parte de Nossas Vidas?’ Até quando essas pequenas coisas nos impedirão de recebermos as bênçãos que nos foram prometidas? Até quando o tempo, o desgaste e a rotina farão com que voltemos às velhas práticas?

Esta é uma visão individual que cada um de nós precisa ter. Além da coragem e da determinação que virão da intimidade com a Palavra, para que possamos abandonar estas coisas. Do contrário seremos sempre pessoas aparentemente vitoriosas espiritualmente na igreja, mas verdadeiros fracassados fora dela.

“Não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele. Pois tudo o que há no mundo — a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens — não provém do Pai, mas do mundo. O mundo e a sua cobiça passam, mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre. “
I João 2:15-17

Redação Assim Está Escrito

Comentários(4)

  1. Responder
    Jonatas Elias says:

    Verdade! Por isso o cuidado que devemos ter dessas coisa substituírem o lugar em que deveria/deve ser de mais intimidade com a leitura da Palavra.

  2. Responder
    Gessi Alves muniz says:

    Perfeito muito bom adorei

  3. Responder
    Jurandir Costa says:

    Isto é a pura verdade, como o Pastor Vilaça falou no programa é um vicio. Que essas palavras não sejam ignoradas.

  4. Responder
    Aldrin Lobato says:

    Simplesmente fantástico, me ajudou muitíssimo, esse artigo.
    Obrigado .

Postar um comentário: