Como Andam Seus Velhos? Parte I | Assim Está Escrito

E pensar que se não fosse nossos antecessores, não estaríamos aqui, tanto para ler estas palavras incomodadoras, quanto para escrever esta cara reflexão...

Olá, preciosos!

Saudações, saúde!

O que acha de conversarmos um pouco sobre nós? Iniciando pelo princípio da história, onde tudo começa, e finalizar em uma reflexão de dar gosto em nossa caminhada? São dois contextos, eu daqui provoco vocês, e vocês daí refletem comigo. Vamos?

Inicio este texto pedindo perdão pela densidade expressa no título, pois embora iremos explorar o contexto a ser compreendido, pode surtir um efeito impactante e perturbador na primeira leitura.

Outro dia ouvi, em meu trabalho, de uma pessoa lá pela casa do sexagenário indo para o septuagenário ano de vida, que a mim estava desabafando com um grau elevado de lamentação sobre não mais possuir lugar de convívio neste mundo. Lamentava o fato de seu neto que ia lanchar com alguns de seus entes queridos em uma lanchonete, inviabilizou sua presença no passeio.

E pensar que se não fosse nossos antecessores, não estaríamos aqui, tanto para ler estas palavras incomodadoras, quanto para escrever esta cara reflexão…

Ao ouvir isso fico pensando: como ocorre, ou como pode acontecer de criarmos a fácil possibilidade de descartar nossos iguais que deram suas longas vidas por nós?

Onde aprendemos, como dizem as redes sociais e suas falas ríspidas, a cancelar a história de pessoas longevas  com ostentação e, sem sensibilidade, e afastá-lo de nós?

O que nos induz a considerar que somos mais preparados do que nossos avós?

O que nos faz sentir mais sabedores do que nossos pais?

Qual a bela justificativa de refutar os conselhos de nossas raízes?

Que geração é esta que desvaloriza os alertas dos seus precursores?

O que tem nos conhecimentos humanos que supera a prudência de nossos antecedentes?

Obs: Todas essas são perguntas que merecem respostas e eu te convido a respondê-las.

 Continuando…

Se formos parar um pouco e procurar rapidamente conhecer a profundidade deste assunto, veremos que permaneceremos assustados com a realidade explícita do que ocorre bem debaixo dos nossos olhos…

Tomada as devidas cautelas, vamos tomar nota de alguns detalhes: já percebeu certo crescimento da profissão de cuidadores de idosos? Reparemos que em um passado recente não ouvíamos este tipo de profissional no mercado. Pelo menos não com esta nomenclatura.

Acontece que hoje aparenta ser mais prático deixar nossos velhos em uma casa distante de nós (‘ironicamente’ também chamada de casa de repouso) que cuidar do nosso autêntico ente querido, isso é cada vez mais incidente!

Sabia que uma mensalidade básica em uma destas instituições beira aproximadamente um salário mínimo e meio? Entretanto, terceirizar esses cuidados sai mais barato do que arcar com a preservação da nossa própria história. Lamentavelmente!

Vale lembrar que não é culpa do cuidador de idosos e menos ainda da instituição que recebe os idosos, cuidadosamente falando. Eles pelo menos tiveram a iniciativa de organizar um meio para acolher uma população ‘descartada’ pelos seus descendentes que de repente se viram ocupados demais para cuidar de seus patrimônios ‘provisórios’ e ‘depreciativos’.

Em algum ponto do processo a peça dessa engrenagem não mais se mostra em perfeita harmonia com o conjunto. E não estamos nos referindo aos velhos. Não mesmo!

Nossas e nossos mestres não podem ser culpados por envelhecerem. Idoso não deve ser o problema, não pode ser. NÃO PODE SER!!

Juntos aqui temos certeza que não foi da Bíblia que tiraram esse conjunto de sistema engessados e julgadores de opiniões. O que vemos é um cenário bem diferente e atuante, contrariamente ao que temos vivido hoje:

“Os filhos dos filhos são uma coroa para os idosos, e os pais são o orgulho dos seus filhos”

 Provérbios 17:6

Ainda lá trás, no Pentateuco, lemos um dos primeiros registros alertados por Deus e que nunca devemos nos esquecer desta herança:

‘Levantem-se na presença dos idosos, honrem os anciãos, tema o seu Deus. Eu sou o Senhor.

Levítico 19:32

Bom, por hoje já temos muito a pensar e repensar, não é mesmo? Então, por enquanto vamos seguir meditando nestas palavras.

Até daqui a pouco!

Tiago José

Tiago José

Sou o irmão Tiago José, um estudante das Ciências Humanas, formado em Psicologia e em formação nas áreas correlacionadas do conhecimento, onde a prática e a teoria se tornam cotidianas, principalmente na convivência com as pessoas com quem passamos a maior parte do nosso dia, de nossas vidas. Por esse oportuno espaço se encontrará um ambiente para desenvolvermos juntos a virtude da sensibilidade que proporciona o conhecimento de que cada pessoa possui sua particular história, e a partir daí, seus impactos e resultados. A dinâmica psíquica também será abordada em nossas falas.


Um comentário

  • Avatar
    jhony de souza pimenta

    24/08/2022 as 10:17

    supremamente importante .

    Comentar

Deixe um Comentario

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *


Sobre nós

O Tabernáculo Belo Horizonte, uma congregação cristã, firma-se sobre as bases do Ministério Assim Está Escrito, edificado com a misericórdia e graça de Deus desde 1976, quando o pastor Wanderley Pereira Lemos começou esta tão grande obra nos pilares daquela mensagem, originada do nosso Senhor Jesus, na busca daqueles que O adorem em Espírito e verdade.


[email protected]

31 2513-0657