Fora Da Palavra Até A Bondade Condena - Parte 1 | Assim Está Escrito

Como cristãos podemos ser enganados por nós mesmo, por nossas mentes que muitas vezes podem ser trabalhadas por Satanás que quer nos manter presos a uma enganação, ao nos dizer que somos boas pessoas porque agimos de forma boa, quando só agimos bem, porque temos segundas intenções com aquilo.

Antes de começar esse artigo, queremos deixar uma reflexão: Será que realmente temos um coração bondoso/cristão, ou somos mantenedores de uma mente mercenária?

Para fazermos essa reflexão precisamos entender o que ser bondoso e ser mercenário quer dizer.

  • Bondoso: Aquele que possui, denota ou demonstra bondade: indivíduo bondoso; ato bondoso
  • Mercenário: adjetivo daquele que age ou trabalha somente por dinheiro ou pelas vantagens que lhe são oferecidas; interesseiro.

Uma das características que identificam o cristão é o seu coração bondoso. O cristão precisa ter um coração puro onde habita a bondade. A bondade é uma característica genuína do cristão verdadeiro. Um coração bondoso, como é de se imaginar, produz boas atitudes e bons comportamentos.

Mas, será que todas as vezes em que uma pessoa produz um ato de bondade, esse ato de bondade é fruto de um coração bondoso, mesmo que a pessoa se diga cristã? 

A resposta é NÃO!

Atitudes bondosas e comportamentos bons também podem ser frutos de uma mente mercenária; mentes mercenárias são aqueles que agem apenas por interesse. E é para esse ponto que precisamos nos atentar.

Já parou para pensar na diferença que tem entre essas duas características, um coração bondoso genuinamente cristão e uma mente mercenária que se “faz de cristã” apenas porque pensam que isso lhe dá algum tipo vantagem com as pessoas ou mesmo com Deus?

Esses questionamentos ao longo do artigo tem o objetivo de nos levar a analisar nossas atitudes e intuitos. E para termos uma base Bíblica para isso, vamos buscar na Palavra alguns exemplos de pessoas que foram vítimas de suas próprias mentes mercenárias. Só a Palavra pode nos mostrar os exemplos a serem seguidos, e advertências que nos ajudam a seguir tais exemplos.

1. O primeiro exemplo de uma mente mercenária, pode ser visto em João 8:3-5:

“E os escribas e fariseus trouxeram-lhe uma mulher apanhada em adultério;

E, pondo-a no meio, disseram-lhe: Mestre, esta mulher foi apanhada, no próprio ato, adulterada.

E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes?”

Podemos responder 3 perguntas nesse trecho:

  • Os escribas e fariseu estavam cumprindo a lei?

Estavam.

  • Eles estavam fazendo o que era certo então?

Podemos dizer que sim.

  • Mas a atitude de fazer o certo, foi desencadeada por um coração bondoso e que amava a lei e os princípios? Ou fazer o certo naquele momento foi parte de alguma outra intenção que em nada tem a ver com ser cristã?

Ao responder essas perguntas podemos perceber que ainda que a diferença pareça ser sutil, existe uma diferença. E é essa diferença que Deus encontra ao sondar a intenção dos corações.

2. Convidar alguém para jantar parece ser uma atitude bondosa, de um coração receptivo (como deve ser o coração daquele que se diz cristão), certo? Mas, será que foi o coração bondoso/cristão do fariseu, que convidou Jesus para jantar em sua casa, mas não Lhe deu a atenção necessária e devida? Para meditar nesse exemplo, você pode ler Lucas 7:36.

3. O nosso terceiro e último exemplo, está em Mateus 26: 49:

“Dirigindo-se imediatamente a Jesus, Judas disse: “Salve, Mestre!”, e o beijou”

Beijar uma pessoa não deveria ser uma atitude bondosa? Não seria esse um gesto originado do coração?

Nesse caso não. E são muitas as vezes em que esse não é um gesto originário do coração.

E como sabemos que isso foi parte de uma mente mercenária? Lembra que a característica de uma pessoa mercenária é fazer algo apenas pela vantagem que vai obter ao fazer? O beijo que Judas deu em Jesus foi planejado por mentes que viram uma forma de ganhar vantagem. Judas recebeu 30 moedas para identificar Jesus. E os fariseus pagaram 30 moedas para se verem livres de Jesus, e a ausência de Jesus era uma vantagem enorme para os intentos deles.

E se trouxermos esse assunto para os nossos dias, para o nosso contexto cristão, podemos pensar na quantidade de igrejas e pastores que estão por aí, com mentes mercenárias, em busca de vantagens. Pessoas que se dizem pastores e instituições que se dizem cristãs, querendo mudar a Bíblia e o que ela diz, em nome do “amor e da inclusão”, e com isso se mantêm populares e não perdem fiéis e nem espaço no mundo.

Quantas são as igrejas e os pastores que ao invés de ensinarem as pessoas a “ofertarem” seus corações e suas vidas a Deus, ensina-as comportamentos que agradam a Deus, para que agradando a Deus elas possam alcançar d’Ele bênçãos que geralmente são financeiras e físicas. Como se Deus não soubesse que suas atitudes não partem de corações genuinamente cristãos; mas de mentes mercenárias que têm certas atitudes e comportamentos, visando obter vantagens.

A verdade é que atitudes boas e comportamentos bons, nem sempre são produzidos por corações cristão, e que infelizmente o comportamento cristão pode ser replicado por mentes mercenárias também. Precisamos ficar sensíveis a isso em nós mesmos. Precisamos ficar sensíveis aos pensamentos que possam roubar de nós a genuinidade dos nossos sentimentos e ações.

  • Até que ponto ir à igreja é um ato de um coração sinceramente cristão e que quer estar ali, ou de uma mente que pensa estrategicamente em que você deve parecer e se portar para ser bem visto(a)?
  • Até que ponto ajudar um irmão é um desejo genuíno do nosso coração, ou é apenas uma motivação causada pelo pensamento de que Deus vai nos recompensar e alguém vai nos reconhecer por isso?
  • Até que ponto as coisas que fazemos para Deus e pela igreja são ações dos nossos corações, ou apenas um passo rumo a um objetivo traçado por nossas mentes?

Como cristãos podemos ser enganados por nós mesmo, por nossas mentes que muitas vezes podem ser trabalhadas por Satanás que quer nos manter presos a uma enganação, ao nos dizer que somos boas pessoas porque agimos de forma boa, quando só agimos bem, porque temos segundas intenções com aquilo.

A Palavra nos adverte:

Nada façam por ambição egoísta ou por vaidade [..]

(Filipenses 2:3).

Na Bíblia encontramos tudo o que precisamos. Encontramos exemplos de como devemos ser, e exemplos de como não ser de maneira alguma. Não precisamos de pessoas, pastores ou organizações que nos ensinam comportamentos de bondades personificadas pelo mundo.

Precisamos daquilo que coloca em nós a natureza de cristão que é genuinamente bondoso de coração. A Única Referência do Homem é A Palavra.

Adquira Conhecimento

Adquira Conhecimento


4 comentários

  • Avatar
    Tonyanna Rose

    02/06/2021 as 12:19

    Meu Deus! Me dê um coração segundo Tua Palavra.

    Comentar

  • Avatar
    João Laudevar Ferreira Dos Santos

    02/06/2021 as 12:20

    Porisso o sacerdote tem que ter mãos limpas pra anunciar á palavra De deus Rua do Rosário 871 alvorada Cidade jequitibá

    Comentar

  • Avatar
    Ione Lopes

    03/06/2021 as 09:58

    Meu Deus, cada dia mais falando comigo e aparando as aresta!🙏🙏🙏👏👏👏

    Comentar

  • Avatar
    Leonardo S Paixão

    04/06/2021 as 18:55

    Que coisa em! Como pode ser enganoso o coração do homem, a ponto de enganar a Si mesmo!
    Excelente artigo! Deus continue abençoando.

    Comentar

Deixe um Comentario

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *


Sobre nós

O Tabernáculo Belo Horizonte, uma congregação cristã, firma-se sobre as bases do Ministério Assim Está Escrito, edificado com a misericórdia e graça de Deus desde 1976, quando o pastor Wanderley Pereira Lemos começou esta tão grande obra nos pilares daquela mensagem, originada do nosso Senhor Jesus, na busca daqueles que O adorem em Espírito e verdade.


[email protected]

31 2513-0657